A+ / A-

Pinto da Costa arguido após queixa do Benfica

09 nov, 2018 - 20:00

Presidente dos dragões e mais cinco administradores da SAD são acusados de ofensa a pessoa coletiva. Diogo Faria e Francisco J. Marques estão também indiciados pela prática do crime de violação de correspondência.
A+ / A-

Pinto da Costa, presidente do FC Porto, foi constituído arguido no processo da queixa do Benfica por divulgação de e-mails do clube encarnado.

A Renascença apurou que o presidente do FC Porto, três diretores executivos da SAD portista, Adelino Caldeira, Fernando Gomes e Reinaldo Teles, bem como dois diretores não executivos, Rui Vieira de Sá e José Américo Amorim são suspeitos do crime de ofensa a pessoa coletiva.

A estes arguidos soma-se o nome de Diogo Faria, que para além do crime de ofensa, está ainda indiciado pela prática do crime de violação de correspondência. Diogo Faria é co-autor do livro "Polvo Encarnado", que escreveu juntamente com Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto e que também já tinha sido constituído arguido neste processo.

Em comunicado, o FC Porto confirmou as informações avançadas pela Renascença e frisou que a ninguém do clube foi "imputada a suspeita de roubo dos e-mails do Benfica, ou de acesso ilegítimo à correspondência eletrónica" e que "nada tem a ver com o processo dos e-mails, em que se investigam, entre outros, crimes de corrupção".

Pinto da Costa foi ouvido esta sexta-feira nas instalações do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) de Lisboa, no âmbito do "caso dos e-mails". O máximo dirigente portista não prestou declarações aos jornalistas à chegada, por volta das 10h30, e deixou o DCIAP cerca de 45 minutos depois, também sem falar.

O Ministério Público confirma que constituiu sete arguidos no processo que teve origem numa queixa do Benfica.

"No âmbito de inquérito que teve origem numa queixa apresentada pelo Sport Lisboa e Benfica, foram, hoje, constituídos e interrogados sete arguidos. Estes arguidos encontram-se indiciados pela prática do crime de ofensa a pessoa coletiva, estando, ainda, um deles indiciado pela prática crime de violação de correspondência", indica uma nota publicada na página do DCIAP, sem mencionar o nome dos arguidos.

O DCIAP esclarece ainda que este inquérito "é distinto do designado 'caso dos e-mails', no qual se investigam crimes de corrupção e, como já foi tornado público, tem um arguido constituído".

A nota esclarece ainda que as diligências de hoje tiveram lugar no DCIAP, por se realizarem no âmbito de um inquérito que está atribuído à equipa que coordena as investigações relacionadas com crimes praticados no âmbito da atividade de competição desportiva de futebol e de crimes com aqueles conexos.

"Como foi oportunamente informado, tal equipa foi constituída, por despacho da Procuradora-Geral da República, para que a investigação desses crimes se desenvolvesse com conhecimento global do fenómeno, de forma concentrada, integrada e coordenada, competindo-lhe decidir quais as investigações que lhe ficam afetas e quais as que devem ser investigadas noutros departamentos do Ministério Público", acrescenta o DCIAP.

[atualizado às 22h20 - Comunicado do FC Porto]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    11 nov, 2018 Moura 13:05
    Não sou advogado de defesa do Sr. Pinto da Costa nem sequer do clube dele mas, quem devia já estar arguido à muito tempo era o Sr. L.F.V.
  • FERNANDO MACHADO
    10 nov, 2018 PORTO 11:18
    PEÇO LICENÇA AO SENHOR FILIPE, PARA ESCLARECER QUE HOJE EXISTE A ESCOLA SUPERIOR DE JORNALISMO, PARA OS REBAIXAR A "GENTE DOS JORNAIS", COMO DIZ E MUITO BEM. ANTIGAMENTE HAVIA JORNALISTAS E HOMENS DE LETRAS, QUE ESTAVAM SEMPRE A APRENDER. HOJE, NAS TELEVISÕES, OS PÉS DE MICROFONE, NÃO SABEM SEQUER FALAR. É UMA TRISTEZA, CARAGO, COMO SE DIZ NA MINHA CIDADE. PARABÉNS PELO SEU COMENTÁRIO.
  • Juíz Vermelho
    10 nov, 2018 Catedral da Luz 11:02
    Era o que faltava, depois do roubo, truncagem, falsificação dos e-mails roubados dos servidores do SLB e apresentados depois de "trabalhados" , por um canal ligado ao clube do apito dourado, ninguem do contumil fosse constituído arguido, que é o primeiro passo na direção da choça. O Carnaval acabou para vocês, contumis, e agora que foram identificados os bloggers dos vossos sites e que vão começar a cantar para evitarem a choldra - e serem entregues aos NoNameBoys... - vocês vão começar a responder pelos vossos crimes. A venda de bilhetes para Vigo vai aumentar ...
  • Filipe
    09 nov, 2018 évora 21:19
    A gente dos jornais já devia saber que qualquer queixa ainda que mentirosa sobre alguém , essa mesma pessoa legalmente tem de ser constituída arguida para ser ouvida . Arguido não quer dizer : Condenado ! Arguido na boca da Comunicação Social tende sistematicamente fazer ver ao povo que existe alguém que vai ser Queimado na Praça Pública e a Justiça vai ser Prostituída , pois hoje parece existir dentro dos Tribunais em negócio Mafioso paralelo onde se vende tudo a partir da Constituição de Arguido . Vão ver daqui a uns dias o Interrogatório do Pinto da Costa na Praça Pública e onde os Jornalistas das TV´s vão aferir e terem com isso Orgasmos Múltiplos , se realmente o mandam Queimar a Sangue Frio antes de um qualquer Julgamento de um Estado de Direito e Democrático . Eu aconselho vivamente hoje qualquer Arguido nestas condições nem sequer assinar o Termo de Identidade e Residência vs Constituição de Arguido pelo seu punho e nem a prestar qualquer declaração . O Código Processo Penal já prevê isso no artigo 95º , nº 3 . Até se costuma dizer quem Não deve Não Teme , mas nestas condições de hoje onde tudo é vendido na Praça Pública a troco de uns euros por baixo da mesa , tem de ser .