A+ / A-

U.Bike. Universidade do Porto já pedala pela cidade

09 nov, 2018 - 14:27

Os utilizadores das bicicletas do projeto U-Bike têm de percorrer, no mínimo, sete quilómetros por dia. O projeto abrange alunos, professores e funcionários.
A+ / A-

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, entregou, esta sexta-feira, as primeiras 250 bicicletas do projeto U-Bike. A Universidade do Porto (UP) quer que os estudantes, docentes e funcionários se desloquem mais de bicicleta pela cidade.

O projeto nacional U-Bike, para o qual concorreram 15 instituições de ensino superior, entre os quais a Universidade do Porto, pretende que a bicicleta venha a “substituir o veículo motorizado e passe a ser o transporte da comunidade académica, contribuindo para uma mobilidade urbana sustentável”, disse à Renascença a Pró-Reitora da UP, Joana Carvalho.

Para permaneceram com a U-Bike durante o tempo definido na candidatura, que pode ir de seis a 12 meses, os utilizadores têm de cumprir uma média diária mínima de sete quilómetros.

Os quilómetros percorridos pelo aluno, docente ou funcionário vão ser monitorizados por uma plataforma da Universidade do Porto que permite controlar os quilómetros percorridos, as calorias consumidas, a distância média e o impacto ambiental gerado.

“A plataforma serve para os utilizadores terem acesso aos percursos e aos quilómetros, mais acima de tudo para perceberem quanto estão a poupar”, realçou Bruno Almeida, diretor do Centro de Deposto da Universidade do Porto. Ao mesmo tempo, a instituição, em conjunto com a Câmara Municipal, pretende usar esses dados em futuras investigações para melhorar as ciclovias da cidade.

Para o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, o projeto é um exemplo de mobilidade suave, elétrica e partilhada. “Mobilidade elétrica porque algumas delas são elétricas, mobilidade partilhada porque ninguém vai ser dono dessas bicicletas, elas estão ao dispor da comunidade, e são 3 mil no total distribuídas por 15 instituição ao longo do país”, afirmou o ministro a quanto a entrega das bicicletas.

Miguel Ferraz é professor da Engenharia na Universidade do Porto e já tinha tentado deslocar-se de bicicleta até à universidade, mas como não era elétrica tornava-se “pouco prático, porque chegava transpirado e com os cabelos no ar”, partilhou o professor. “Com a possibilidade de poder experimentar com uma bicicleta elétrica, vou tentar andar sempre nela durante os 12 meses”. Os 22km diários que eram percorridos de carro vão passar a ser feitos pela a bicicleta elétrica que lhe foi entregue.

Vestida a rigor, Sara Henriques, funcionária do gabinete de relações externas da Faculdade de Desporto, está pronta para regressar ao trabalho já a pedalar. Sara Henriques já costumava utilizar a bicicleta convencional diariamente.

Já a aluna de Doutoramento na Faculdade de Medicina, Sara Soares, não está habituada a andar de bicicleta com regularidade, mas quer cumprir os objetivos pelo fator da sustentabilidade.

No total, o projeto agrega 300 bicicletas distribuídas pelas 15 instituições de ensino superior. A Universidade do Porto conta já com 250 bicicletas, 220 elétricas e as restantes convencionais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.