A+ / A-

É uma "woman in tech"? Estes são os livros que tem de ler

09 nov, 2018 - 12:00

Conheça as sugestões de livros dadas por mulheres a trabalhar na área da tecnologia em Portugal.
A+ / A-

Se é mulher e trabalha na tecnologia (e provavelmente mesmo que não seja mulher), vai gostar destes livros.

A lista saiu de um evento organizado durante a Web Summit pela plataforma “Portuguese Women in Tech” (Mulheres portuguesas na tecnologia). Cinco mulheres ligadas a esta área – Inês Santos Silva e Liliana Castro, criadoras da plataforma, Cristina Fonseca, da Talkdesk, Emily Sutton da Unbabel e Paula Carneiro da EDP – deixaram sugestões de livros que as inspiraram de alguma forma.

A maioria das escolhas só tem versão em inglês, mas algumas têm também tradução portuguesa.

A comunidade Portuguese Women in Tech lançou este mês um guia inspirador e de introdução ao ecossistema tecnológico nacional, para jovens mulheres. Pode vê-lo aqui.

“Deep Work: A concentração máxima num mundo de distrações”, Cal Newport

No livro sugerido pela empreendedora social Inês Santos Silva, co-fundadora da plataforma Portuguese Women in Tech, o autor e professor Cal Newport debruça-se sobre estes novos tempos em que somos obrigados a estar ligados e permanentemente disponíveis, mergulhados em múltiplas intromissões.

O livro leva o leitor numa viagem por algumas histórias que lembram a importância de estar focado - desde Carl Jung, que construiu uma torre de pedra num bosque para ficar completamente isolado; a um pioneiro das redes sociais que fez uma viagem até Tóquio e regressou, para escrever um livro no ar, livre de distrações.

Na segunda parte, o livro sugere um plano de ação rigoroso, baseado em quatro “regras” para aperfeiçoar a capacidade notável da concentração.

“Brotopia: Breaking Up the Boys' Club of Silicon Valley”, Emily Chang

Mais uma sugestão de Inês Santos Silva. Em “Brotopia”, a jornalista da Bloomberg TV Emily Chang olha para Silicon Valley, descrevendo um mundo dominado por homens onde as mulheres são marginalizadas e o machismo se tornou regra.

Ao longo de dois anos, a autora entrevistou centenas pessoas para revelar como uma indústria que supostamente surgiu para romper com a ordem social que a excluía acabou a reproduzir os mesmos erros.

“Maverick! The Success Story Behind The World's Most Unusual Workshop”, Ricardo Semler

O terceiro livro sugerido por Inês Santos Silva é uma autobriografia de Ricardo Semler, empresário brasileiro que conta como transformou o seu negócio de família, a Semco, num sucesso revolucionário, ao dar total liberdade aos funcionários - incluindo a de definir os seus próprios salários e a extensão das suas férias.

Pode ler também a versão orginal, publicada em 1988 no Brasil como “Virando a Própria Mesa”.

O livro tornou-se um dos livros de não-ficção mais vendidos de sempre no Brasil.

“Principles”, Ray Dalio

Cristina Fonseca, co-fundadora da Talkdesk, considerada, nos prémios Portuguese Women in Tech, a “melhor startup em Portugal começada por uma mulher”, sugere este livro do fundador da Bridgewater Associates, a quinta empresa privada mais importante dos Estados Unidos e a mais eficaz gestora de fundos hedge do mundo.

Neste livro, Ray Dalio partilha os seus princípios de vida e de trabalho, baseados na “verdade radical” e “transparência radical”, para ajudar qualquer pessoa ou empresa a alcançar seus objetivos.

“Whiplash: How to Survive Our Faster Future”, Joi Ito e Jeff Howe

A segunda sugestão de Cristina Fonseca é um livro de Joi Ito, diretor do MIT Media Lab, com e do jornalista da Wired, Jeff Howe, que reúne nove princípios para se adaptar e sobreviver às mudanças tecnológicas que estão a moldar o nosso futuro.

“Disrupted: My Misadventure in the Start-Up Bubble”, Dan Lyons

Cristina Fonseca sugere também este livro do jornalista Dan Lyons, que durante 25 anos trabalhou na revista Newsweek, até receber um telefonema: o seu posto de trabalho já não existia. “Acho que eles querem contratar pessoas mais novas”, disse-lhe o seu chefe.

Com 50 anos e filhos para sustentar, Dan decidiu juntar-se à HubSpot, uma start-up em Boston, na área do marketing. O livro descreve a vida de alguém com o dobro da idade do empregado médio da HubSpot a iniciar-se no mundo das start-ups, com festas noite dentro e cadeiras que na verdade são bolas de borracha.

“Bossypants”, Tina Fey

Emily Sutton, gestora de produto na Unbabel, plataforma portuguesa de tradução automática, sugere este livro autobiográfico da comediante norte-americana Tina Fey, que aborda o seu percurso desde adolescente “nerd” depravada até se tornar chefe do Saturday Night Live; da sua busca apaixonadamente indiferente pela beleza física até à vida como mãe que come coisas do chão; do seu romance unilateral no colégio até sua lua de mel quase mortal.

“Lean Startup”, Eric Ries

Mais uma sugestão de Emily Sutton - o livro que criou um movimento global (94 cidades em 17 países) com empreendedores que se encontram regularmente para discutir esta nova metodologia de gerir startups e outras empresas.

A abordagem inédita de Eric Ries ensina a gerir empresas sem desperdícios, a inovar continuamente e a corrigir rapidamente a direção do negócio antes que seja tarde demais, despertando os empreendedores e empresários a serem mais inovadores e a gerirem melhor o tempo de forma, a conquistarem o sucesso mais rapidamente.

“Grit: O Poder da Paixão e da Perseverança”, Angela Duckworth

Nesta última sugestão de Emily Sutton, a psicóloga Angela Duckworth demonstra a pais, estudantes, educadores, atletas e empreendedores que o segredo para as maiores realizações não é o talento, mas uma mistura de paixão e perseverança a que ela chama de “garra” — a capacidade de perseverar e produzir resultados além do puro talento, da sorte ou das eventuais derrotas.

Ao usar como exemplo a própria história como filha de um cientista que, com frequência, notava sua falta de “genialidade”, Duckworth, agora professora e pesquisadora renomada, descreve as primeiras revelações que a levaram à hipótese de que não é a “genialidade” que realmente conduz ao sucesso, mas uma combinação especial de paixão e perseverança.

“De Bom a Excelente”, Jim Collins

A diretora de Recursos Humanos da EDP, Paula Carneiro, sugeriu este livro de Jim Collins, que com a sua equipa, durante cinco anos, analisou cerca de 1500 empresas, que figuraram na lista das 500 maiores da revista Fortune.

Apenas onze dessas empresas conseguiram sustentar durante mais de quinze anos um crescimento extraordinário. Estas onze organizações, entre as quais a Gillette, a Kimberley-Clark e a Philip Morris, geram retornos financeiros superiores aos da média de mercado, ultrapassando gigantes como a Coca-Cola, Intel ou a General Electric.

Em comum, todas tiveram o que Collins classificou como «líder de nível 5»: um gestor que estaria no topo da pirâmide da excelência em gestão.

Quem são esses tais líderes de nível 5? Quais são as suas características? E por que razão nomes consagrados, como Welch e Chambers, não figuram na lista de Jim Collins?

“Bad Blood: Secrets and Lies in a Silicon Valley Startup”

Este foi o livro sugerido pela co-fundadora da plataforma Portuguese Women in Tech, Liliana Castro: a história do crescimento e colapso da Theranos, uma badalada start-up de biotecnologia que chegou a valer cerca de 7 mil milhões de euros.

O livro, do jornalista premiado John Carreyrou, conta a história da carismática CEO Elizabeth Holmes, que era descrita como “Steve Jobs feminino” e prometia revolucionar as análises sanguíneas com um aparelho muito barato que conseguia disgnósticos certeiros com apenas algumas gotas de sangue.

O único problema? A tecnologia não funcionava. Em “Bad Blood”, John Carreyrou conta a história fascinante da maior fraude corporativa desde a Enron.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 09 nov, 2018 12:40
    Tambem para ele se sentar na cadeira"e comecar a pintar as unhas vale mais nao sentar!