A+ / A-

ONU quer alimentar 14 milhões de iemenitas

09 nov, 2018 - 00:23

Metade do país está ameaçado pela fome.
A+ / A-

A Organização das Nações Unidas quer intensificar os seus programas de assistência ao Iémen para fornecer uma ajuda alimentar a 14 milhões de habitantes, cerca de metade da população do país, ameaçados pela fome.

“O Programa Alimentar Mundial da ONU está a realizar planos para atingir até 14 milhões de pessoas por mês, em vez dos atuais sete a oito milhões", declarou à comunicação social o porta-voz desta agência das Nações Unidas, Hervé Verhoosel.

A ajuda alimentar distribuída até agora "contribuiu para impedir a fome, mas parece que vão ser precisos esforços ainda maiores para evitar uma fome generalizada", indicou, em comunicado.

"Este novo objetivo de 14 milhões necessita de um enorme trabalho de logística, de sensibilização, de financiamento e de preparação", acrescentou.

Este anúncio ocorre depois de 35 organizações não-governamentais terem apelado, na quarta-feira, a "uma cessação imediata das hostilidades" no Iémen, onde, apontaram, "14 milhões" de pessoas estão ameaçadas pela fome.

Em meados de outubro, o secretário-geral-adjunto da ONU para os assuntos humanitários, Mark Lowcock, tinha avisado que até 14 milhões de pessoas poderiam estar em situação de "pré-fome" nos próximos meses no Iémen, considerada a pior do mundo.

Segundo Mark Lowcock, "8,4 milhões de pessoas estão em situação de insegurança alimentar grave".

"No pior caso, este número de 8,4 milhões pode aumentar em 5,6 milhões, o que coloca o número total de pessoas em condição de pré-fome em 14 milhões", sublinhara Lowcock, em documento datado de 18 de outubro e entregue aos 15 membros do Conselho de Segurança nas Nações Unidas.

Desde 2015 que está a decorrer uma guerra no Iémen que opõe rebeldes houthis, apoiados pelo Irão, que controlam o porto de Hodeida e a capital, Sanaa, a uma coligação árabe, sob comando saudita, que defende o governo refugiado em Aden, no sul do país.

Em mais de três anos, o conflito já provocou cerca de dez mil mortos, segundo a ONU.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.