A+ / A-

José Silvano. "Sou eu que reclamo que a PGR abra uma averiguação”

08 nov, 2018 - 17:56

Suspeito de validar presenças no Parlamento estando ausente do plenário, deputado do PSD garante que não pediu a ninguém que o registasse.
A+ / A-

O secretário-geral do PSD diz que é ele próprio que quer que a Procuradoria-Geral da República investigue o caso do alegado registo das suas presenças no Parlamento por terceiros.

Numa conferência de imprensa na Assembleia da República esta quinta-feira, na qual se recusou a responder a perguntas, o deputado social-democrata saudou a iniciativa da Procuradoria-Geral da República de investigar o caso.

"Quem não deve, não teme, ou melhor, nos tempos de hoje deve ser dito não devia temer. Sou um homem honrado", afirmou, sem, contudo, explicar como é que a sua presença foi registada em plenário nos dias em que esteve ausente.

Aos jornalistas, José Silvano garantiu que não pediu a ninguém para registar a sua presença. “Não registei a minha presença, não mandei registar, não auferi qualquer vantagem”, disse.

Em causa está o facto de ter validado presenças no plenário nos dias 18 e 24 de outubro quando na verdade se encontrava ausente das sessões.

No sábado, o semanário Expresso noticiou que não foi registada qualquer falta de José Silvano em qualquer das 13 reuniões plenárias realizadas em outubro, apesar de em pelo menos um dos dias ter estado ausente.

Conforme o próprio admitiu ao Expresso, na tarde de 18 de outubro esteve no distrito de Vila Real ao lado de Rui Rio, líder do partido, cumprindo um programa de reuniões que teve início às 15h30.

Apesar disso, alguém registou a presença do secretário-geral social-democrata logo no início da sessão plenária, quando passavam poucos minutos das 15h00.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    08 nov, 2018 20:09
    Este gajo que se porte como um Homem e não como um garoto, para isso DEMITA-SE JÁ. Há que salientar, que esta prática é recorrente no parlamento e isto revela a qualidade dos nossos pseudo-representantes!!!!!!!!!!!!!!!