A+ / A-

E o projecto vencedor da Web Summit 2018 é...

08 nov, 2018 - 16:59 • Cristina Nascimento com Lusa

Este ano foram apresentados a concurso 170 projetos.
A+ / A-

A 'startup' inglesa Wayve, que desenvolveu um programa para carros autónomos, venceu esta quinta-feira o concurso para empresas em fase inicial na cimeira de tecnologia Web Summit, que esteve a decorrer em Lisboa desde segunda-feira.

O anúncio foi feito esta quinta-feira à tarde pelo júri do 'pitch' (breve apresentação de uma empresa com apenas três a cinco minutos de duração) no palco principal do evento, na Altice Arena.

Das 170 ideias empreendedoras apresentadas a concurso, três chegaram à final. A Wayve acabou por derrotar outro projeto relacionado com carros autónomos – LvL5 – e um projeto de verificação de autenticidade de conteúdos na internet para combater fenómenos como as “fake news” (FactMata).

A escolha do projeto vencedor ficou a cargo de três jurados, embora tenha contado igualmente com os votos do público. Ironicamente, a Wayve foi a menos votada pela audiência de entre as três finalistas.

A Web Summit termina hoje no Altice Arena e na Feira Internacional de Lisboa (FIL). Por ela passaram cerca de 70 mil participantes de 159 países, naquela que é a terceira edição de 13 já previstas para Lisboa.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Portugal, tendo gerado, desde essa altura, um impacto económico de mais de 500 milhões de euros.

Inicialmente, estava previsto que a cimeira ficasse na capital portuguesa por apenas três anos, mas em outubro passado foi anunciado que o evento continuará a ser realizado em Lisboa por mais 10 anos, ou seja, até 2028, mediante contrapartidas anuais de 11 milhões de euros e a expansão da FIL.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.