A+ / A-

Três milhões de pessoas já fugiram da Venezuela por causa da crise e da violência

08 nov, 2018 - 15:22

Segundo as Nações Unidas, êxodo corresponde a cerca de 12% da população do país. Valor é o mais elevado desde 2015.
A+ / A-

Três milhões de pessoas já fugiram da crise económica e política que se vive na Venezula, de acordo com dados apresentados esta quinta-feira pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). A agência da ONU diz que este é o valor mais elevado desde 2015.

O êxodo dos últimos meses, provocado pela violência, a elevada inflação e a falta de alimentos e medicamentos, já representa cerca de 12% da população de todo o país. Segundo o alto comissário William Spindler, esta fuga em massa de cidadãos agravou-se nos últimos seis meses. A mesma crise já motivou o regresso a Portugal de 7 mil cidadãos que até agora viviam na Venezuela.

Em setembro, e também de acordo com cálculos do ACNUR, 2,6 milhões de venezuelanos já tinham emigrado para países vizinhos, como a Colômbia, o Peru, o Brasil e o Equador. "O maior aumento continua a registar-se na Colômbia e no Peru", avançou Spindler hoje.

Na Colômbia, onde um milhão de venezuelanos já procuraram abrigo, calcula-se que haja três mil pessoas a chegar ao país por dia, com o Governo de Bogotá a apontar que mais quatro milhões de venezuelanos poderão mudar-se para o país até 2021. A confirmar-se, tal vai envolver encargos a rondar os nove milhões de dólares americanos, aponta o Executivo colombiano.

A Venezuela está mergulhada numa profunda crise económica e social sob o Governo do Presidente Nicolás Maduro, que continua a desmentir as "notícias falsas" sobre a fuga em massa de venezuelanos, dizendo que estas servem para a intervenção de potências estrangeiras no país.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o ACNUR já alertaram que este êxodo está a criar tensões nos países vizinhos, especialmente na Colômbia.

"Países na América Latina e no Caribe estão a manter uma recomendada política de portas abertas", disse Eduardo Stein, representanto conjunto do ACNUR e da OIM na Venezuela. "No entanto, a sua capacidade de receção está sob muita pressão, precisam de uma resposta mais robusta e imediata por parte da comunidade internacional", pediu Stein.

Os Governos da região vão encontrar-se em Quito, no Equador, entre os dias 22 e 23 de novembro, para coordenar esforços e ajuda humanitária à Venezuela.

Maduro acusa EUA de se aproveitarem da crise humanitária na Venezuela
Maduro acusa EUA de se aproveitarem da crise humanitária na Venezuela
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.