A+ / A-

Conselho de Estado analisou Brexit

07 nov, 2018 - 20:11 • Eunice Lourenço

Encontro teve a presença do ministro dos Negócios Estrangeiros e a ausência de quatro conselheiros.
A+ / A-

Três horas de reunião, um comunicado de seis linhas a enunciar pouco mais do que o tema da reunião: a isto se resume o Conselho de Estado desta quarta-feira. Como anunciado a reunião do órgão de consulta do presidente da República destinava-se a analisar o Brexit. E dessa análise não saiu para o comunicado qualquer conclusão.

Segundo o comunicado, o Conselho de Estado “analisou a situação decorrente do referendo britânico, apreciando as negociações com a União Europeia e as relevantes relações bilaterais entre Portugal e o Reino Unido”. Isto tendo por base uma apresentação feita pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que foi convidado para a reunião.

Ao encontro faltaram quatro conselheiros de Estado: Eduardo Lourenço, Francisco Pinto Balsemão, Ramalho Eanes e Vasco Cordeiro. A reunião, que começou pouco depois das 15h00 terminou pelas 18h15, mas três conselheiros ainda ficaram mais uma meia hora à conversa com o presidente da República: Jorge Sampaio, Marques Mendes e o primeiro-ministro, António Costa.

Depois de Mendes e Sampaio saírem, Costa e Marcelo aproveitaram para fazer logo a reunião semanal, que costuma ser às quintas-feiras. Devido às agendas de ambos (encerramento da Web Summit) o encontro foi antecipado.

Marcelo Rebelo de Sousa, ao contrário dos seus antecessores, tem convocado o Conselho de Estado com regularidade - uma periodicidade de três meses -, tendo já feito várias reuniões temáticas e com entidades convidadas. Por exemplo, já participaram no Conselho de Estado o presidente da Comissão Europeia e o presidente do Banco Central Europeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.