A+ / A-

Google eliminou mais de três mil milhões de links

07 nov, 2018 - 19:09

Empresa apresentou o relatório “Como combate a Google a pirataria” com dados sobre 2017.
A+ / A-

O Google eliminou mais de três mil milhões de links para páginas na Internet em 2017 no âmbito da sua campanha de luta contra a pirataria, segundo o relatório “Como combate a Google a pirataria”.

O documento esclarece que estes links foram eliminados do seu motor de busca graças a ferramentas específicas para defender os direitos de autor dos proprietários das páginas na Internet, o que "parece ter tido sucesso", já que a pirataria na rede "diminuiu em todo o mundo".

A empresa cortou a verba da publicidade a 'sites' que reconhecidamente são tidos como distribuidores de pirataria e impediu que 10 milhões de anúncios fossem divulgados nesses endereços da Internet em 2017.

A Google também tomou medidas para impedir que 'conteúdos piratas' se alojem no Google Drive e que depois seja feito um 'download' em massa, isto é, os arquivos transferidos em massa de um servidor remoto para um computador local.

Na Play Store, a Google também está a lutar contra a pirataria informática.

A Google referiu que está a combater a pirataria na Play Store, a loja de Apps, que usa o sistema operativo Android.

Neste caso, foram removidas 250 mil aplicações por violarem os termos e as condições de uso impostas pela Google na sua luta contra a pirataria.

No relatório, a Google refere ainda que tem como objetivo principal fazer com que a pirataria informática "não gere mais lucros" para aqueles que distribuem conteúdos ilegais.

A Google, destaca no documento que, através da Play Store e do YouTube, está a ajudar os criadores e os conteúdos originais a distribuírem os seus trabalhos de forma legal para mais utilizadores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.