A+ / A-

Mortes nos Comandos. Major critica castigos aplicados pelos instrutores

07 nov, 2018 - 18:30

Vasco Brazão foi ouvido como testemunha. Defendeu que os ferimentos dos formandos Hugo Abreu e Dylan da Silva foram consequência de práticas inaceitáveis na instrução militar.
A+ / A-

Vasco Brazão, investigador principal da morte de dois recrutas dos Comandos, considera inaceitáveis os castigos aplicados pelos instrutores do curso 127, de setembro de 2016.

O antigo porta-voz da Polícia Judiciária Militar (PJM), que é também arguido da operação Húbris relacionada com as armas de Tancos, foi ouvido esta quarta-feira como testemunha no julgamento dos Comandos.

À saída do campus da justiça, em Lisboa, o major Vasco Brazão defendeu que os ferimentos dos formandos Hugo Abreu e Dylan da Silva foram consequência de práticas inaceitáveis na instrução militar.

“Apurou-se que o furriel Abreu e todos os outros formandos sofreram castigos nas silvas. Uma coisa é um formando rastejar num terreno que tem uma forte aderência, com uma certa intensidade, com silvas ou não, com pedras ou não, e vai provocar ferimentos no militar. Outra coisa é o militar estar prostrado no chão, cansado e ele ser arrastado pelos pés atirado para as silvas, sendo ordenado que se atire para as silvas de dois metros. Todas essas situações não são aceites pela instrução militar”, afirma o major Vasco Brazão.

O arguido na operação “Hubris” encontra-se em prisão domiciliária, sem pulseira eletrónica.

Foi ouvido esta quarta-feira como testemunha no caso das mortes nos comandos.

Dezanove militares estão a ser julgados pelos crimes de abuso de autoridade e ofensa à integridade física.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.