A+ / A-

​Mil milhões de pessoas foram vítimas de ciberataques num ano

07 nov, 2018 - 18:14 • Cristina Nascimento

Presidente da Microsoft fez um alerta para a paz digital e lembrou os 100 anos do fim da Primeira Guerra Mundial. “Temos de fazer este século melhor do que fizemos no século passado”.
A+ / A-

O presidente da Microsoft Corporation, Brad Smith, lançou esta quarta-feira um apelo à “paz digital”. No Palco Central da Web Summit, Brad Smith revelou que só em 2017 mil milhões de pessoas foram afetadas por ciberataques.

“Não são máquinas a atacar máquinas. São máquinas que, no fim da linha, atingem pessoas”, lembrou.

Brad Smith aludiu a ataques cibernéticos em larga escala que ocorreram nos últimos meses, como o WannaCry (ataque que afetou milhares de sistemas em 150 países) ou o NotPetya (ataque cibernético ocorrido na Ucrânia em 2017), dando exemplos concretos das consequências para as vidas das pessoas – operações cirúrgicas adiadas, milhares de consultas médicas por fazer, sistemas de pagamento inativos.

O presidente da Microsoft fez um paralelismo com a Primeira Guerra Mundial, cujo Armistício foi assinado há 100 anos. Segundo Smith, a guerra aconteceu porque as pessoas, de uma forma geral, e os empresários, em particular, permaneceram em silêncio.

“No século passado, os homens de negócios ficaram calados. Este século não podemos ficar calados”, disse.

Por isso lançou o desafio para que todos os presentes na Web Summit assinem a petição “Digital Peace Now”.

Brad Smith disse que “o campo de batalhar agora é o setor tecnológico” e, por isso, o setor tecnológico tem uma “responsabilidade especial”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.