A+ / A-

​Falha na plataforma de internet da UE foi resolvida sem roubo de dados

07 nov, 2018 - 14:22

A garantia foi deixada pela comissária europeia da Concorrência, à margem da Web Summit.
A+ / A-

A falha na plataforma de internet da União Europeia (Wifi4EU) está resolvida e nenhuma informação foi copiada ou subtraída, garante a comissária europeia da Concorrência. Margrethe Vestager reagiu à notícia à margem da Web Summit, em Lisboa.

"A boa notícia é que nenhuma informação foi subtraída ou copiada e isso é muito importante porque a segurança dos dados é muito importante", disse Margrethe Vestager questionada sobre a falha que expôs dados de autarquias europeias, entre as quais 241 câmaras municipais em Portugal.

De acordo com o “Jornal de Notícias” desta quarta-feira, os dados pessoais de 11.402 câmaras municipais na União Europeia, 241 de Portugal, que se candidataram à plataforma Wifi4EU - um projeto comunitário que financia a instalação da Internet sem fios nos espaços públicos - "ficaram expostos".

O JN acrescenta que se tratou da "maior fuga de informação de dados pessoais de presidentes de câmara", e que ocorreu no passado dia 15 de maio.

De acordo com a comissária europeia da Concorrência, a falha foi detetada por uma empresa "amiga" que alertou as entidades competentes.

"O que sabemos é que uma empresa teve acesso ao que os municípios colocaram na base de dados, mas eles alertaram-nos sobre a falha. Não copiaram nada e a falha foi corrigida e o serviço foi reposto", afirmou frisando que o problema foi solucionado.

"O assunto está resolvido, mas nós levámos a questão muito a sério porque a proteção de dados é para nós muito importante", acrescentou.

Margrethe Vestager participou na conferência inaugural da Cátedra Jean-Monnet promovida pelo Instituto Europeu da Faculdade de Direito de Lisboa em que esteve presente o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.