A+ / A-

Rui Moreira disponível para ajudar a concluir a ala pediátrica do hospital S. João

07 nov, 2018 - 13:38

Para a Câmara do Porto, o Estado não tem conseguido resolver o problema.
A+ / A-

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, afirmou estar disponível para ajudar financeiramente as obras da ala pediátrica do Hospital de S. João, que está a funcionar em condições precárias dentro de contentores. O anúncio foi feito esta quarta-feira, após uma reunião com o representante da associação de pais das crianças.

A Câmara do Porto está "disponível para apoiar o projeto da Associação Joãozinho" para "continuar as obras" da ala pediátrica do Hospital de São João, resolvendo "o que o Estado não tem conseguido", disse o autarca.

"Temos que permitir que as obras do Joãozinho continuem e a Câmara está disponível para apoiar esse projeto. Foi dito que havia mecenas para fazer a obra. Mas, se não houver dinheiro, porque é que o Estado não há de apoiar a associação?", acrescentou o presidente da Câmara do Porto.

Para o autarca, a associação que iniciou a construção da ala pediátrica em 2015, com fundos privados, "pode ser um excelente veículo para resolver o que o Estado não tem conseguido resolver", atingindo o "nível do intolerável", com crianças internadas em contentores provisórios desde 2011.

A falta de atuação e pressão junto do Governo para acelerar o impasse do concurso para a ala pediátrica foi alvo de críticas por parte da associação de pais de crianças internadas na Oncologia do S.João, aquando o novo anúncio do concurso para ala de pediatria feita pelo primeiro-ministro

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.