A+ / A-

Cambrige Analytica. "Eleitores foram tratados como terroristas"

06 nov, 2018 - 15:31 • Cristina Nascimento

Antigo diretor de pesquisa da empresa Cambridge Analytica esteve no Palco Central da Web Summit a contar os pormenores do escândalo que envolve o tráfico de dados através do Facebook.
A+ / A-

O antigo diretor de pesquisa da Cambridge Analytica, Christopher Wylie, considera que os “eleitores foram tratados como terroristas”. Em causa está o escândalo de tráfico de dados de milhões de pessoas que foram influenciadas com o objetivo de manipular resultados eleitorais.

Wylie foi o homem que denunciou o que se estava a passar e contou, na Web Summit, os pormenores do caso. Wylie explicou que antes sequer de existir a Cambridge Analytica já se fazia manipulação de informação, mas, como era na área militar, aceitava-se essa manipulação.

“Nesta área, aceita-se que a informação seja usada para interferir, por exemplo, num grupo de recrutamento para o Estado Islâmico ou no sistema de comunicações de um grupo extremista, porque esses grupos têm por objetivo fazer mal às pessoas”, explicou. O problema, acrescenta, é que depois “os eleitores foram tratados como terroristas”.

Wylie explicou que a estratégia passava pelo algoritmo do Facebook que motivava as pessoas a entrarem em determinadas páginas ou grupos para criar um movimento. A seguir, uma parte dessa comunidade era convidada a encontrar-se num café local para “falar sobre coisas que não vêm nos jornais”.

“Quem vai pensa que toda a gente pensa daquela forma. Por isso, vão para casa ver as notícias e acham que aquilo é mentira”.

O antigo diretor garante que por várias vezes tentou denunciar o que se passava junto de altos dirigentes da administração Obama e do Partido Democrata, mas que ninguém fez nada.

“A administração de Obama disse-me para não me preocupar. Achavam que o Donald Trump era um parvo, mas a Hillary iria ganhar”.

Wilye reafirmou ainda que todo o processo foi aprovado pelo Facebook e que os dados foram parar à Rússia.

O moderador da conversa, o jornalista Krishnan Guru Murthy, do Channel, 4 perguntou ainda a Wylie se valeu a pena ter ficado com a vida virada do avesso após as denúncias que fez.

“Sim”, disse hesitações, acrescentando depois: “Agora as pessoas estão a falar sobre isso. Sinto que tenho um dever de falar. Eu estava ali sentado num dos maiores abusos de dados de sempre.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.