A+ / A-

"Corrida espacial" nos Açores. Há 14 interessados em construir uma base

06 nov, 2018 - 07:00

Os primeiros lançamentos de pequenos satélites devem ocorrer na primavera ou no verão de 2021.
A+ / A-

Há 14 concorrentes internacionais interessados em ter uma base espacial nos Açores - mais do triplo do que o Governo estava à espera. O anúncio foi feito pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior seis dias depois de ter terminado o prazo para empresas e entidades submeterem propostas no âmbito de um concurso público internacional aberto em setembro.

Segundo o ministro Manuel Heitor, tratou-se de um concurso de ideias que visou aferir o interesse do mercado aeroespacial pela construção e operacionalização de um porto espacial na ilha de Santa Maria, antes de Portugal avançar com um "concurso realista" para a concretização do projeto.

Manuel Heitor assinalou à agência Lusa que a instalação e o funcionamento do porto espacial, destinado ao lançamento de pequenos satélites para observação da Terra, implicará, acima de tudo, um investimento privado, sendo que o investimento público, estimado em seis milhões de euros, será para a melhoria de infraestruturas locais.

As propostas submetidas pelos 14 consórcios que, de acordo com um comunicado do ministério, incluem "soluções inovadoras de acesso ao espaço com microlançadores", vão agora ser avaliadas por uma comissão internacional de peritos, presidida pelo ex-diretor da agência espacial europeia ESA Jean Jacques Dordain.

Primeiros lançamentos em 2021

Cabe à comissão de peritos, depois de analisar as propostas iniciais, recomendar os candidatos que devem 'entrar na corrida' para a construção e operacionalização do porto espacial, e cujos projetos serão avaliados entre fevereiro e maio de 2019. Na 'corrida espacial' terão de estar envolvidos consórcios com participação de empresas ou centros de investigação portugueses.

Espera-se que, de acordo com o calendário fixado, os primeiros lançamentos de pequenos satélites se iniciem na primavera ou no verão de 2021, depois de o contrato para a instalação e funcionamento do porto espacial ser assinado, em junho de 2019, com os 'vencedores'.

Da lista de 14 consórcios internacionais que apresentaram ideias fazem parte empresas aeroespaciais portuguesas como a Edisoft, a Tekever e a Omnidea, precisou Manuel Heitor. Quatro dos consórcios são liderados pelas companhias aeroespaciais Ariane (França), AVIO (Itália), Virgin Orbit (EUA) e Elecnor DEIMOS (Espanha) e pela agência espacial russa Roscosmos. Mas há também empresas alemãs envolvidas.

Um dos estudos que levaram o Governo a promover a abertura do concurso público internacional de ideias para a construção de um porto espacial nos Açores, para lançamento de microssatélites, foi desenvolvido pela Universidade do Texas, com a qual Portugal tem parcerias.

O estudo, datado de janeiro, sugere a construção de uma base de lançamento de pequenos satélites preferencialmente na zona de Malbusca, na ilha de Santa Maria, devido "à amplitude e à orientação do seu corredor de lançamento e aos seus atributos de segurança de alcance superior". Segundo o estudo, a operacionalização do porto espacial deve ser acompanhada pela fixação nos Açores de empresas dedicadas ao fabrico de satélites.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui
    09 nov, 2018 Lisboa 13:08
    E quem disse que é preciso um foguete para lançar um satélite
  • Filipe
    06 nov, 2018 évora 22:02
    Quem disse isto é um louco à procura de engavetar uns euros a fundo perdido no bolso . É impossível daí fazerem lançamentos pois o perímetro de segurança é tão reduzido que colocaria a Europa em estado de emergência . Uma loucura demente de gente demente que nem um foguete consegue fabricar . Não tem noção da velocidade requerida e atingida para chegar a orbita e se algo falhar cai o céu em cima da Europa , vamos ver o que de lá vão lançar . Não esqueçam que os Americanos conhecem os Açores bem melhor e nunca se atreveram a esta loucura .