A+ / A-
Sporting

Dias Ferreira suspeita que despedimento de Peseiro já estava preparado

01 nov, 2018 - 18:15

O candidato derrotado por Frederico Varandas, nas últimas eleições do Sporting, olha com desconfiança para as declarações recentes de Sousa Cintra e do presidente leonino.
A+ / A-

Dias Ferreira suspeita que o despedimento de José Peseiro do Sporting já estava preparado. Contratado por Sousa Cintra na fase de transição para reconstruir a equipa a partir dos escombros do pós-Alcochete, Peseiro foi despedido por Frederico Varandas na sequência da derrota caseira com o Estoril, para a Taça da Liga. O técnico deixa o Sporting no quinto lugar do campeonato, mas apenas a dois pontos da liderança.

Dias Ferreira, candidato derrotado por Varandas nas últimas eleições, recorda, em declarações a Bola Branca, as declarações mais recentes de Sousa Cintra e de Frederico Varandas, e questiona se o despedimento de José Peseiro não terá sido algo mais do que uma saída anunciada.

"Eu não sei se era [uma saída] não só anunciada, mas se era também preparada. Pelo menos, para mim, fiquei com a sensação de que estava preparada. Quer dizer, quando a pessoa que o escolheu [Sousa Cintra] disse o que disse sem reação do presidente ou de alguém da direção do Sporting e, depois, no dia seguinte, quem vê a entrevista do presidente na parte que se refere ao treinador, julgo que fica com poucas dúvidas, a não ser, desculpem a expressão, que seja muito burro", assinala.

O efeito da "chicotada" e o sucessor

Dias Ferreira recusa fazer prognósticos de como a equipa reagirá à "chicotada psicológica". A verdade é que Peseiro estava, ainda, em todas as frentes: a dois pontos da liderança do campeonato, na quarta eliminatória da Taça de Portugal, com possibilidade de avançar na Taça da Liga e na Liga Europa "com largas possibilidades de apuramento".

"Olhe, a conclusão a que eu chego à partida é que se calhar o único candidato que estava certo era o Doutor Madeira Rodrigues. Se calhar era ele, que agora provavelmente estar-se-á a rir", especula.

Quanto a sucessores, Dias Ferreira não tem qualquer nome em mente e não acredita que o Sporting tenha condições para pagar a Jorge Jesus, "a não ser que ele venha fazer uma borla". Leonardo Jardim e Paulo Sousa são nomes interessantes, contudo, o antigo vice-presidente leonino acredita que, tal como o presidente já disse, para despedir Peseiro, Varantas "já tinhas coisas fechadas com outra pessoa".

A instabilidade não abandona Alvalade

Dias Ferreira insiste na ideia de que o despedimento de José Peseiro já estava na calha, numa altura em que o treinador voltava a contar com unidades influentes, de que são exemplo Mathieu e Bas Dost.

O substituto de Peseiro não terá vida fácil em Alvalade, num Sporting que já se habituou a viver num clima de permanente de instabilidade, reconhece Dias Ferreira: "O Sporting sem instabilidade não é anda. Isso é uma caraterística que dificilmente algum dia se vai ultrapassar".

"Quem entrar [para o lugar de Peseiro] entra com uma herança pesada. Disso não tenho dúvidas nenhumas, porque eles [Varandas e restante direção] só estavam à espera, realmente, de um mau resultado. Se calhar, não foi antes porque aquilo com o Boavista saiu bem [vitória por 3-0]. Eu acho que isto já estava preparado antes", insiste Dias Ferreira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.