A+ / A-

Guerra no Afeganistão "não se ganha militarmente"

31 out, 2018 - 22:41

O general Austin Miller espera solução política.
A+ / A-

O comandante das forças dos EUA e da coligação internacional no Afeganistão, general Austin Miller, afirma que a guerra neste país "não se ganha militarmente" e considera que agora "é o momento" para procurar uma solução política.

Durante uma entrevista ao canal televisivo NBC News, Miller declarou sobre este conflito começado há 17 anos: "Não se ganha militarmente. É preciso uma solução política".

O chefe militar adiantou que os insurgentes também "estão conscientes" de que não vão conseguir os seus objetivos no terreno de batalha, o que facilita uma saída negociada do conflito.

"Se se aceita que não se pode ganhar militarmente, a luta é simplesmente... as pessoas começam a questionar-se para quê... pelo que creio que é o momento para começar a trabalhar no aspeto político deste conflito", disse.

Miller assumiu o comando das tropas aliadas em setembro e em 18 de outubro saiu ileso de um atentado dos talibãs ao complexo do governador da província meridional de Kandahar, que provocou a morte a vários dirigentes locais.

"Nada disto está isento de risco", reconheceu.

Por outro lado, falou das outras ameaças à coligação militar neste país asiático, o designado Estado Islâmico e a Al-Qaeda.

"O Estado Islâmico é perigoso. Têm apoios no estrangeiro, contam com recursos variados e têm redes fora do Afeganistão", detalhou Miller.

Sobre a Al-Qaeda, o general admitiu que os aliados a vigiam "muito estreitamente", uma vez que "apesar de estarem em baixo, ainda não estão acabados".

Questionado se se sente otimista quanto ao fim do conflito no Afeganistão, que começou em 2001, na sequência dos atentados de 11 de setembro, Miller mostrou-se cauteloso: "Vejo caminhos abertos. Alguns cheios de riscos. Mais do que otimista, diria que sou pragmático", respondeu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.