A+ / A-

Medicamentos inovadores evitaram 110 mil mortes em 28 anos

30 out, 2018 - 07:14

Estes fármacos também permitiram aos doentes continuarem a ser produtivos, gerando cerca de 280 milhões de euros anuais em rendimento adicional para as famílias.
A+ / A-

Desde 1990, os medicamentos inovadores evitaram 110 mil mortes em Portugal e adicionaram dois milhões de anos de vida saudável, segundo um estudo da Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica.

O estudo "O valor do medicamento em Portugal", elaborado pela consultora 'McKinsey & Company', a pedido da Apifarma, coligiu e analisou dados referentes à realidade portuguesa, visando "apresentar uma perspetiva holística sobre o valor dos medicamentos em Portugal", analisando o seu valor humano, social e económico.

O estudo selecionou oito doenças (cancro do pulmão, cancro colorretal, esquizofrenia, VIH/sida, insuficiência cardíaca, diabetes, artrite reumatoide, doença pulmonar obstrutiva crónica), que representam 15% do peso total de doença em Portugal.

Desde 1990, evitaram mais de 110 mil mortes, "comparáveis à população total do município de Setúbal em 2017", contribuíram para o aumento da esperança de vida até 10 anos e acrescentaram dois milhões de anos de vida saudável, 180 mil em 2016, que representam "mais de três vezes os perdidos em ferimentos resultantes de acidentes rodoviários".

"O valor dos anos de vida saudável ganhos nas oitos doenças representa entre cinco a sete mil milhões de euros anuais, acima do gasto total em medicamentos (3,8 mil milhões de euros)", refere o estudo, que será hoje apresentado em Lisboa no congresso da Apifarma "Compromisso com as Pessoas. Mais e Melhor Vida".

Para chegar a estes números, os investigadores compararam o número efetivo de mortes por estas doenças e os anos de vida não saudável (DALYs) de cada doente com o número projetado.

Doentes mais produtivos

Os medicamentos inovadores também permitiram aos doentes continuarem a ser produtivos, gerando cerca de 280 milhões de euros anuais em rendimento adicional para as famílias nas oito doenças (1.000 euros por mês por família afetada), e contribuíram para reduzir hospitalizações e outros custos diretos com saúde em cerca de 560 milhões de euros anuais.

O estudo indica ainda que a indústria farmacêutica acrescentou mais de 1,5 mil milhões de euros ao PIB português em 2016, face a 2000, "o suficiente para cobrir todo o orçamento para a Ciência, Educação e Tecnologia". O setor emprega cerca 10 mil pessoas diretamente e 40 mil direta e indiretamente.

Segundo a investigação, Portugal fica atrás da maioria dos países da União Europeia no acesso a medicamentos inovadores, com o acesso dos doentes a demorar até 38 meses.

A investigação aponta que "aumentar o valor aportado pelos medicamentos em Portugal" passaria por "inovar no atendimento ao doente", reforçando a prevenção e o diagnóstico, integrando cuidados e alavancando tecnologia, por "acelerar o acesso a medicamentos inovadores", simplificando a aprovação de reembolso, e por "atrair investimento da indústria farmacêutica".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.