A+ / A-
Sínodo dos Bispos

“Jovens não podem ser vistos como um satélite da Igreja”

19 out, 2018 - 18:00 • Com Ecclesia

Para o padre Valdir José De Castro, a Igreja não pode ter “medo” do mundo digital, em que os mais novos hoje comunicam, e deve deixar que sejam mais protagonistas.
A+ / A-

“Os jovens não podem ser vistos como um satélite da Igreja”. O alerta foi deixado esta sexta-feira pelo superior-geral dos Paulistas no Sínodo dos Bispos, que decorre no Vaticano.

Para o padre Valdir José De Castro, a Igreja não pode ter “medo” do mundo digital, em que os mais novos hoje comunicam, e deve deixar que sejam mais protagonistas.

“Foi falado muito neste Sínodo que os jovens não podem ser vistos como um satélite da Igreja. Eles são membros efetivos da Igreja e estão dentro da Igreja”, sublinha em declarações à agência Ecclesia.

“Sabemos que eles precisam de muita ajuda no discernimento, que é o tema do nosso Sínodo, para lhes darmos conteúdos, uma formação, também para estar nesse ambiente digital com liberdade, responsabilidade, prudência. Mas eles podem dar muito na evangelização da Igreja neste ambiente, eles podem nos ensinar, neste aspeto das tecnologias, a caminhar por esse lado”, defende o padre Valdir José De Castro.

Para este responsável, que esta sexta-feira falou no Sínodo sobre o desafio da Igreja “aprender a habitar o mundo digital”, é fundamental deixar que os jovens se envolvam mais na evangelização através destes meios.

“É um ambiente onde podemos e devemos envolver os jovens na evangelização, porque são os jovens que conhecem a gramática, a linguagem desses meios. Então, às vezes, como Igreja, buscamos mais levar as coisas, o conteúdo, a doutrina, e temos de levar. Mas, como formar os jovens e prepará-los para que eles se envolvam na evangelização e façam esse trabalho de evangelização por meio das redes. Existem iniciativas de jovens que fazem este trabalho, mas ainda podemos crescer muito”, afirma.


O padre Valdir José De Castro em declarações à agência Ecclesia, no Vaticano, num serviço especial para a Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.