A+ / A-

Papa. Números da fome no mundo devem fazer "corar de vergonha"

16 out, 2018 - 13:43 • Ecclesia

Francisco enviou uma mensagem à FAO para assinalar este Dia Mundial da Alimentação, recurso que falta a cerca de 800 milhões de pessoas.
A+ / A-

O Papa salientou esta terça-feira a necessidade de “redobrar esforços” no apoio a milhões de pessoas a quem hoje falta, “em quantidade e qualidade, o alimento necessário”.

Numa mensagem enviada ao diretor-geral da organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, e divulgada hoje pela Santa Sé, Francisco realça que “este não pode ser simplesmente mais um dia” no calendário para “recolher informações ou satisfazer a curiosidade”.

“Infelizmente, não cessa de aumentar o número imenso de seres humanos que não têm nada, ou quase nada, para levar à boca”, alerta o Papa argentino, para quem é “urgente” chamar “à responsabilidade todos os atores” que têm o poder de mudar este contexto, e que não se podem deixar cair no “torpor que paralisa e inibe”.

Só assim será possível cumprir com “os objetivos da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”, e passar a mensagem de que “um mundo com Fome Zero é possível”, salienta.

De acordo com os últimos dados da FAO, cerca de 800 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crónica motivada pela falta de uma alimentação adequada. Números que, para o Papa, devem fazer “corar de vergonha” esta sociedade do “século XXI que, apesar dos “avanços consideráveis nos campos da tecnologia, da ciência, das comunicações e infraestruturas”, ainda não conseguiu obter “idênticos avanços em humanidade e solidariedade”.

“De nós, os pobres esperam uma ajuda eficaz que os tire da sua prostração, e não meros propósitos ou convénios que, depois de estudar detalhadamente as causas da sua miséria, tenham como único resultado a celebração de eventos solenes, compromissos que nunca se concretizam ou vistosas publicações destinadas a engrossar os catálogos das bibliotecas”, frisa Francisco.

O Papa argentino desafia os países e organismos internacionais a irem “mais longe”, na implementação de “políticas de cooperação no desenvolvimento”, no respeito pelos recursos naturais, na distribuição equitativa dos alimentos, no combate ao desperdício e ainda no empenho pela pacificação do mundo, que está na base de todos os problemas.

“Precisamos de silenciar as armas e o seu pernicioso comércio, para escutar a voz daqueles que choram desesperados por se sentir abandonados à margem da vida e do progresso”, refere Francisco, que destaca depois a responsabilidade que cabe também à Igreja Católica, e a todas as suas estruturas.

De continuar “diariamente” a lutar “no mundo inteiro contra a fome e a subnutrição, de múltiplas formas e através das suas variadas estruturas e associações, lembrando que aqueles que sofrem a miséria não são diferentes de nós”, que eles “têm a mesma carne e sangue que nós”.

“Que ninguém seja deixado para trás e que, no nosso mundo, a fraternidade tenha direito de cidadania e seja algo mais que um slogan sugestivo, sem consistência real”, exorta o Papa Francisco neste Dia Mundial da Alimentação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.