A+ / A-

“Leslie” derrubou árvores e estruturas, deixou dezenas de feridos e desalojados

14 out, 2018 - 06:46

A tempestade, que foi furacão, danificou casas, desalojou pessoas, arrancou árvores e, acima de tudo, assustou. O vento chegou a soprar a uma velocidade de 176 quilómetros por hora.
A+ / A-

Veja também:


Os avisos da Proteção Civil deixaram os portugueses em alerta, mas mesmo assim o cenário de destruição deixada pela tempestade pós-tropical “Leslie” espanta um país que não está habituado a furacões.

A rota era difícil de traçar – imprevisível, diziam os especialistas – mas a breve passagem pelo país deixou danos avultados, em especial no distrito de Coimbra, onde árvores foram arrancadas pela raiz e onde objetos soltos, projetados pelo vento, “fizeram feridos ligeiros”.

Até ao inicio da madrugada deste domingo a Proteção Civil contabilizou 1.447 ocorrências a nível nacional. Andaimes, placas de sinalização e outros objetos foram levados pelo vento para serem projetados contra aquilo que ainda resistia à força do vento.

A tempestade fez dezenas de desalojados em Coimbra, Alcobaça e Marinha Grande, com muitos telhados a não resistirem às rajadas de vento que bateram recordes – na Figueira da Foz o vento soprou a uma velocidade de 176 quilómetros por hora.

Foi precisamente na Figueira da Foz que 800 pessoas ficaram retidas no Centro de Artes e Espetáculos, depois de ter faltado a electricidade durante um concerto de Carminho.

A falta de eletricidade é, aliás, um problema em cerca de 15 mil casas. A EDP faz "mea culpa" e assumiu, ao início da noite, que a situação era “grave”. A situação não terá sido ainda resolvida.

Com a chegada ao Minho o “Leslie” acalmou. Às 2h00 o presidente do Instituto Português do Mar e da Atmosfera explicava que a tempestade pós-tropical já estava “no extremo norte do território do continente português” e que, apesar de prever “precipitação na região do Minho”, a situação iria normalizar rapidamente.

O que resta da noite, com a ajuda do raiar da primeira luz da manhã, permitirá avaliar melhor tudo o que o “Leslie” fez a Portugal Continetal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.