A+ / A-

Brasil. Haddad admite erros do Governo PT

13 out, 2018 - 23:09

Candidato presidencial, ex-ministro de Lula e Dilma, está em segundo nas sondagens.
A+ / A-

O candidato de esquerda às presidenciais do Brasil, Fernando Haddad, admite "erros cometidos no passado" na gestão de empresas públicas.

Numa visita a um bairro de habitação social nos arredores de São Paulo, o candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) diz que, se for eleito, pretende aplicar um sistema de controlo à gestão de empresas públicas para evitar "erros cometidos no passado".

Fernando Haddad afirmou que, quando era ministro da Educação, entre 2005 e 2012, havia um "serviço de controlo interno muito forte".

"Não tivemos nenhum problema com a corrupção quando houve um dos maiores orçamentos no Governo", alegou o candidato, 'contaminado', no entanto, por numerosos escândalos de corrupção que ocorreram sob o governo do Partido dos Trabalhadores liderado pelo ex-Presidente Lula da Silva.

O PT governou o Brasil durante 13 anos, de 2003 a 2016, um período que começou com os dois mandatos de Lula da Silva (2003-2010) e terminou com a demissão de Dilma Rousseff (2011-2016).

Desde 2014 a operação "Lava-Jato", considerada a maior investigação contra a corrupção no Brasil, revelou um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo empresas públicas como a petrolífera Petrobras.

O ex-Presidente Lula da Silva é acusado de ter recebido um apartamento à beira-mar de uma construtora em troca de favores na concessão de contratos públicos relacionados com a Petrobras, mas nega qualquer irregularidade.

Condenado em 2017 por corrupção e lavagem de dinheiro, cumpre uma pena de 12 anos e um mês de prisão desde abril.

Na primeira volta das eleições presidenciais, que decorreu no passado domingo, Fernando Haddad obteve 29 por cento dos votos, contra 46 por cento do candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, o principal favorito.

A segunda volta realiza-se em 28 de outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.