A+ / A-

EUA exigem outras libertações na Turquia

12 out, 2018 - 23:12

Pastor Andrew Brunson foi libertado esta sexta-feira, mas Mike Pompeo lembra que há outros casos a resolver rapidamente.
A+ / A-

O secretário de Estado dos Estados Unidos apela ao Governo turco para "libertar rapidamente" os outros cidadãos norte-americanos e vários empregados locais das missões diplomáticas de Washington ainda detidos na Turquia, depois da libertação do pastor Andrew Brunson.

“É um grande dia para a América! Mais um cidadão [norte-]americano foi libertado. O mundo deve saber que o Presidente dos EUA e o Departamento de Estado continuam a trabalhar duro para trazer para casa todos os reféns [norte-]americanos e os detidos sem razão", escreveu Mike Pompeo, na rede social Twitter.

A justiça turca libertou da prisão domiciliária Andrew Brunson, cuja detenção provocou uma grave crise entre Ancara e Washington.

O tribunal, em Aliaga, na região de Izmir (oeste), condenou o pastor a três anos e um mês de prisão, mas decidiu libertá-lo tendo em conta o tempo que já passou detido e o seu comportamento durante o processo.

O Ministério Público pediu uma pena "até dez anos de prisão" por pertença a uma "organização terrorista".

Brunson, de 50 anos e que vive na Turquia há mais de duas décadas, foi preso em dezembro de 2016 e indiciado por espionagem e acusações relacionadas com terrorismo.

A tensão entre a Turquia e os Estados Unidos da América, latente desde há longos meses, agravou-se após a imposição por parte de Washington, em 1 de agosto, de sanções contra dois ministros turcos devido ao caso Brunson.

A Turquia respondeu às sanções com contramedidas semelhantes dirigidas a altos cargos norte-americanos.

Apesar de as relações bilaterais manterem várias situações em aberto, incluindo o apoio norte-americano a milícias curdas sírias que Ancara considera terroristas, a detenção do pastor evangélico foi o fator que motivou a aplicação de sanções mútuas entre os dois aliados da NATO.

A Turquia acusa por sua vez Washington de não pretender extraditar o predicador islamita Fethullah Gülen, autoexilado nos EUA há 19 anos e acusado de responsabilidade pelo fracassado golpe de Estado militar de julho de 2016, uma alegação que este também tem rejeitado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.