A+ / A-

Ministro da Defesa demite-se após um ano de polémicas

12 out, 2018 - 17:18

Primeiro-ministro e Presidente da República já aceitaram saída de Azeredo Lopes, que acontece na sequência da polémica em torno do furto e aparecimento do furto de armas em Tancos.
A+ / A-

Veja também:


O ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, apresentou esta sexta-feira ao primeiro-ministro, António Costa, a sua demissão do Governo.

Fonte do gabinete do ministro confirmou à agência Lusa que o pedido de demissão já foi aceite pelo primeiro-ministro.

Numa carta enviada a António Costa, Azeredo Lopes explica que se demitiu para evitar que as Forças Armadas sejam "desgastadas pelo ataque político" e pelas "acusações" de que disse estar a ser alvo por causa do processo de Tancos.

"Não podia, e digo-o de forma sentida, deixar que, no que de mim dependesse, as mesmas Forças Armadas fossem desgastadas pelo ataque político ao ministro que as tutela", referiu Azeredo Lopes.

A Presidência da República "aceitou a proposta de exoneração e aguarda a proposta de nomeação do sucessor", refere uma nota de Belém.

"O Primeiro-Ministro informou esta tarde o Presidente da República do pedido de demissão do Ministro da Defesa Nacional, propondo a sua exoneração, nos termos do Art.º 133.º, h) da Constituição, mais tendo acrescentado que oportunamente proporia o nome de um substituto", adianta o gabinente de Marcelo Rebelo de Sousa.

Na base do pedido de demissão estão os desenvolvimentos do processo de investigação judicial ao furto e recuperação das armas furtadas nos paiós de Tancos.

Azeredo Lopes deixa o Governo depois de um ano marcado pela polémica de Tancos e de uma operação de encobrimento, alegadamente envolvendo elementos da Polícia Judiciária Militar (PJM) e da GNR.

Um dos arguidos, o major Vasco Brazão, ex-porta-voz da PJM, disse em interrogatório judicial que entregou um memorando sobre o encobrimento ao chefe de gabinete do ministro, envolvendo Azeredo Lopes no caso.

Ao longo dos meses, primeiro-ministro, António Costa, segurou o seu ministro da Defesa. Recentemente, afirmou num debate no Parlamento que Azeredo Lopes não pode estar à porta de cada paiol militar a guardar as armas.

A atuação do ministro demissionário no caso de Tancos tem vindo a ser criticada, desde logo quando declarou que, "no limite, poderia não ter acontecido qualquer furto de armas em Tancos.

Numa primeira reação à saída do ministro da Defesa, a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, afirmou que "uma demissão não é a única resposta que precisamos neste caso". Ainda há muitas muitas perguntas sem resposta sobre o furto de Tancos "é preciso que tudo seja esclarecido".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Helena Matos
    13 out, 2018 Coimbra 03:16
    Já ontem era tarde. Este senhor já devia estar na rua há bué, tais as contradições e falta de respeito q gera junto das FA. Ora sabe q houve roubo, ora diz q se calhar nao houve, agora não sabe de nada nem nunca ouviu falar de coisa nenhuma, passou-lhe tudo ao lado. Para um chefe de defesa não está mal, não senhor. E o Costa é outro q tal, a segurar a criatura atá ao tutano e a assobiar pro lado como se a situação fosse sustentável. Este PM é mesmo inapto, nao aprendeu nada com a demissão da antiga ministra do MAI. Por pouco era preciso o PR chutar este tb pela borda fora em público. É uma tristeza!
  • rm
    12 out, 2018 lx 17:21
    Até que enfim.