A+ / A-

Depressão quase levou Michael Carrick a deixar o futebol

12 out, 2018 - 09:45

Derrota na final da Liga dos Campeões em 2009, frente ao Barcelona, foi o catalisador de um dos períodos mais complicados da carreira do ex-médio do Manchester United.
A+ / A-

Michael Carrick revelou que sofreu problemas de saúde mental que quase o levaram a deixar o futebol. O agora treinador adjunto de José Mourinho no Manchester United revela, na sua autobiografia, "Between the Lines" ("Nas Entrelinhas", em português), que batalhou durante anos com depressão, catalisada pela derrota do clube inglês na final da Liga dos Campeões, em 2009, frente ao Barcelona.

"Quase me fartei do futebol. Parece uma loucura dizer isto, sequer, mas na altura era assim que me sentia. É uma longa história desse ano, de como as pequenas coisas pioraram e comecei a recriminar-me por me sentir assim, porque tenho tudo o que poderia desejar. Estava a jogar num grande clube e na seleção de Inglaterra, tinha dois filhos felizes, mulher. Era o melhor que podia possivelmente pedir", contou o ex-médio, em entrevista à "Sky Sports".

A verdade é que Carrick não estava a tirar o máximo partido de tudo o que tinha: "Não estava a desfrutar de jogar por Inglaterra, não queria viajar com a seleção. Estava a passar por tempos difíceis no United, estava a jogar terrivelmente mal. Isso levava-me à loucura, porque sempre dei tudo para fazer o melhor possível pelo United".

Ao fim de três anos, Carrick sentiu um "clique" que lhe permitiu superar a depressão. "Tinha lidado com ela [depressão] durante três anos e, a certa altura, foi como se algo tivesse cedido. Tive problemas durante esse ano e voltei de repente, houve um clique no final da temporada e senti-me novo outra vez, melhor ainda do que me sentira antes. Foi um ano estranho, mas duro para mim. Espero que dê às pessoas uma nova perspetiva de como é jogar ao mais alto nível".

Carrick assegurou que não tem vergonha de admitir que teve depressão. Tanto assim é, que esse período da sua vida e carreira é um dos grandes destaques da sua autobiografia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.