A+ / A-

Ministro da Agricultura vai propor reforço de meios no Instituto de Conservação da Natureza

11 out, 2018 - 23:49 • Teresa Paula Costa

Capoulas Santos deixou, no entanto, as novidades para o conselho de ministros de 25 de outubro.
A+ / A-

O ministro da Agricultura vai propor em Conselho de Ministros o reforço de meios para o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Na Marinha Grande, Capoulas Santos referiu que a proposta será apresentada juntamente com o Ministério do Ambiente a 25 de outubro, num Conselho de Ministros especialmente dedicado a questões que têm a ver com a temática das florestas e dos incêndios. No entanto, não quantificou.

"Haverá um Conselho de Ministros especialmente dedicado a questões que têm a ver com a temática das florestas e dos incêndios. Iremos levar, juntamente com o Ministério do Ambiente, uma proposta para o reforço de meios humanos e materiais, quase exclusivamente na sua componente regional", disse Capoulas Santos.

O ministro salientou que o objetivo é "dar muito mais capacidade de intervenção a partir dos serviços regionais do ICNF e não propriamente aos serviços centrais, que manterão uma dimensão não superior à atual".

As declarações foram proferidas à margem da apresentação do Programa de Recuperação das Matas Litorais por uma Comissão constituída por 7 universidades e politécnicos portugueses.

O programa aposta na plantação de, sobretudo, pinheiro-bravo e numa gestão articulada com vários ministérios e a sociedade civil. Neste momento, decorrem ainda as hastas públicas da madeira queimada que, até ao momento renderam 15,5 milhões de euros ao Estado, que serão aplicados até 2022 na gestão florestal.

O ministro admitiu também que os 15 milhões de euros de investimento, que estão previstos para a Mata Nacional de Leiria até 2022, é, "seguramente, uma fatia pequena" e "apenas a componente da gestão florestal".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.