A+ / A-

Mantêm-se impostos sobre combustíveis e farmacêuticas

11 out, 2018 - 21:26 • Paula Caeiro Varela e Eunice Lourenço

Parte fiscal do Orçamento ainda está por fechar no que diz respeito ao IRS.
A+ / A-

Veja também:


O Governo vai manter o imposto adicional ao Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) e energéticos. A medida está consagrada na versão preliminar do Orçamento do Estado, a que a Renascença teve acesso.

O CDS tem tentado acabar com este adicional e até conseguiu aprovar um projeto nesse sentido na generalidade, mas que acabou por ser chumbado na especialidade. Os centristas acusam o Governo de faltar à palavra dada de que este imposto seria neutral, ou seja, que subiria quando o preço do petróleo descesse e desceria quando o preço subisse.

Nesta proposta de Orçamento fica claro que o adicional é para manter em vigor em 2019, no montante de € 0,007/l para a gasolina e no montante de € 0,0035/l para o gasóleo rodoviário e o gasóleo colorido e marcado.

Também se mantém em vigor o adicional ao Imposto Único de Circulação (IUC) aplicável sobre os veículos a gasóleo enquadráveis nas categorias A e B.

O Governo mantém igualmente em vigor para o ano de 2019 a contribuição extraordinária sobre a indústria farmacêutica, que foi aprovada em 2014, na sequência do programa de ajustamento financeiro. Esta contribuição é uma taxa sobre as transações de medicamentos em território nacional e pode ir dos 2,5% aos 14,3% dependendo do tipo de substância.

A parte fiscal do Orçamento do Estado ainda não está fechada e falta mesmo acordo em matéria de IRS, como assumiu esta quinta-feira o líder parlamentar do PCP, João Oliveira.

Numa conversa com jornalistas parlamentares, João Oliveira disse que há resistência nas negociações, sobretudo em relação a dois pontos: o aumento do número de escalões e o valor para o mínimo de existência social. O valor atual é 8.848 euros anuais e a versão preliminar do Orçamento prevê um aumento para os 9 mil euros anuais, mas o PCP ainda não se dá por satisfeito.

O mínimo de existência tem efeitos no IRS pago por todos os contribuintes, porque o seu aumento leva, automaticamente, a uma diminuição da base tributável.

O Governo pretende ainda aumentar os incentivos à exploração florestal com várias medidas no campo fiscal. A ideia é criar planos de poupança florestal (PPF) na sequência do programa de estímulo ao financiamento da floresta aprovado no Conselho de Ministros de 27 de outubro de 2017.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.