A+ / A-

Ministro rejeita acusação do "patrão dos patrões" sobre fundo ambiental

11 out, 2018 - 17:34 • Henrique Cunha

Na resposta a António Saraiva, o ministro do Ambiente diz que "se há sector onde é preciso investir na descarbonização é o sector dos transportes".
A+ / A-

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, corrige o presidente da CIP, António Saraiva, que em entrevista à Renascença disse que fundo ambiental financiado pelas empresas estará a ser usado para comprar carruagens do Metro ou material da Carris em Lisboa.

Na resposta ao “patrão dos patrões”, o ministro do Ambiente diz que "se há sector onde é preciso investir na descarbonização é o sector dos transportes".

Em declarações à Renascença, João Pedro Matos Fernandes afirma que António Saraiva se equivocou, porque " as transferências para o sobrecusto das renováveis estão a ser feitas de acordo com a lei".

"As verbas do fundo ambiental, na componente que corresponde ao antigo fundo português de carbono, são destinadas à descarbonização. E se há sector onde é fundamental investir na descarbonização é no sector dos transportes. Mas há aqui, certamente, um grande equívoco por parte do sr. António Saraiva, porque as transferências para o sobrecusto das renováveis estão a ser feitas de acordo com a lei e o salto de 2017 para 2018 é muito expressivo”, afirma o ministro do Ambiente.

“Passaremos de 61 milhões de euros para 117 milhões de euros, mas ainda faltam dois meses de leilões e se calhar o valor ainda irá ser superior”, sublinha o governante.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.