A+ / A-
Impostos

Mais de mil milhões de euros em seis meses. Receita fiscal cresce mais que a economia

11 out, 2018 - 15:00 • Sandra Afonso

Conselho das Finanças Públicas diz que a carga fiscal voltou a aumentar nos primeiros seis meses do ano, representando uma subida de 3,8% face ao mesmo período do ano passado.
A+ / A-

Entre impostos e contribuições, o Estado arrecadou mais 1.141 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano e conta manter o aumento da carga fiscal, ajudado pelos impostos indiretos e pela recuperação do mercado de trabalho.

Os dados são avançados nesta quinta-feira pelo Conselho das Finanças Públicas, segundo o qual as receitas fiscais já estão acima do objetivo do Governo para o ano.

Mesmo assim, o executivo de António Costa esperava um aumento maior dos impostos indiretos, tais como IVA, imposto sobre os combustíveis, património, tabaco e álcool, entre outros.

O organismo liderado por Teodora Cardoso mantém ainda a projeção de 0,5% para o défice de 2018, abaixo dos 0,7% esperados pelo Governo – isto, porque contam com um segundo semestre mais favorável em termos de receita.

O défice disparou no primeiro semestre com despesas temporárias e chegou a 1,9% do PIB até junho. Entre essas despesas está a recapitalização do Novo Banco, pagamentos por decisões judiciais, despesa extraordinária com incêndios e lesados do BES – gastos que representaram mais de metade do défice e que não se repetem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.