A+ / A-

São as famílias que estão a sustentar o crescimento da economia

11 out, 2018 - 12:55 • Sandra Afonso

É o que revela o boletim económico do Banco de Portugal, divulgado nesta quinta-feira. Regulador rejeita a existência de uma bolha no mercado imobiliário.
A+ / A-

O investimento e as vendas ao estrangeiro estão a diminuir e é o consumo das famílias que mantém o crescimento da economia portuguesa, colmatando aquelas quedas.

Os dados são avançados nesta quinta-feira pelo Banco de Portugal, no boletim económico de outubro. O consumo das famílias está a compensar a queda das vendas para o exterior e a descida do investimento, tanto das empresas como do Estado – uma tendência que poderá estar relacionada com o adiamento de algumas grandes obras, como barragens, e a aquisição de máquinas, além de perspetivas mais moderadas e maior incerteza ao nível global.

O Banco de Portugal mantém, contudo, a previsão 2,3% de crescimento para este ano – são 0,5 pontos percentuais abaixo do registado no ano passado, mas 0,3 pontos percentuais acima das estimativas do Banco Central Europeu (BCE) para a Zona Euro, o que deixa a economia em convergência real com as restantes.

E continua a apontar melhorias no mercado de trabalho, mas de junho para outubro reviu ligeiramente em baixa o emprego e a taxa de desemprego.

Estas previsões estão ainda sujeitas a riscos, como o pagamento do subsídio de natal, o balanço do aumento extraordinário das pensões, a evolução da receita fiscal e não fiscal e o impacto do BPN.

O Novo Banco ainda não pode sequer ser considerado um risco, porque o apuramento das contas só é feito no final do ano.

Para 2019, ainda sem Orçamento do Estado, sobram poucas palavras, mas o Banco de Portugal rejeita que exista uma bolha no mercado imobiliário. O atual dinamismo aumentou as transações, mas estas não estarão todas a ser acompanhadas por empréstimos à habitação.

Para os próximos anos, o banco central espera ainda a continuação da recuperação salarial – diz haver já sinais disso, mas ainda insípidos – e a redução do défice.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    11 out, 2018 évora 13:41
    Os pobres que tem de pagar contas ao fim do mês e que não tem acesso ao crédito para encharcar a via pública de Mercedes , pagam para que os bancos disponibilizem vantagem aos grandes . Todavia , um dai quando os juros da habitação forem rondar 1 a 2 % positivos , vamos ver as viaturas a serem entregues aos bancos e outras medidas de contenção por parte desses alegados grandes . Os pobres continuam a fazer a mesma vida porque sempre souberam viver com pouco .