A+ / A-

Funcionários judiciais protestam em Lisboa

11 out, 2018 - 09:15

Os funcionários judiciais têm concentração nacional marcada para esta tarde, em Lisboa, no Terreiro do Paço. Vão discutir ações de luta em prol de reivindicações, como o estatuto profissional e a tabela remuneratória.
A+ / A-

Centenas de funcionários judiciais, de todo o país, são esperados esta quinta-feira no Terreiro do Paço, Lisboa, para participarem num plenário nacional que vai discutir ações de luta em prol de reivindicações como o estatuto profissional e tabela remuneratória.

Em causa estão matérias relacionadas com o ingresso na carreira, promoções, estatuto socioprofissional, revisão da tabela remuneratória e regime de aposentação, indica uma nota do Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) sobre a realização do Plenário Nacional junto ao Ministério da Justiça.

Os funcionários judiciais exigem também a recomposição das carreiras com a contagem dos nove anos, quatro meses e dois dias de tempo de serviço congelado.

Em declarações à agência Lusa, Fernando Jorge Fernandes, presidente do SFJ, referiu que esta concentração pretende ser um "aviso" e um sinal de "protesto" ao Ministério da Justiça, depois de as negociações terem sido interrompidas a 30 de maio.

Fernando Jorge revelou que chegou a estar marcada uma reunião negocial com o Ministério da Justiça para 14 de setembro, mas que na véspera foi comunicado ao sindicato que a mesma tinha sido desmarcada.

O dirigente sindical admitiu que o atraso na aprovação do estatuto socioprofissional e tabela remuneratória possa estar relacionado com bloqueios no Ministério das Finanças, mas realçou que é altura de os funcionários judiciais manifestarem a sua "revolta" e "indignação" pela forma como tem sido tratados pelo Governo.

Face a esta situação, o SFJ adiantava que vai "dar continuidade e intensificar" as várias formas de protesto da classe, designadamente, enquanto não for retomada a negociação do Estatuto dos Oficiais de Justiça - que está parada desde maio - e face ao incumprimento dos compromissos do Governo".

Fernando Jorge admitiu à agência Lusa que as ações de luta a propor poderão, no limite, resultar na marcação de greves no setor.

O SFJ exige que sejam retomadas as negociações com vista a aprovar um estatuto profissional que reconheça a efetiva dignidade da classe.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.