A+ / A-

Ir ao restaurante ao fim de semana fica mais caro

11 out, 2018 - 08:43

Estudo revela que uma refeição custa, em média, mais de 10 euros. Os pratos vegetarianos são os mais caros.
A+ / A-

Comer num restaurante ao fim de semana é, regra geral, mais caro do que num dia útil. Se durante a semana mais de metade dos almoços e 47% dos jantares têm um preço médio entre 5 e 10 euros, ao sábado e domingo os preços elevam-se acima dos 10 euros. Se for um prato vegetariano, em 30% dos casos poderá ser mais caro.

É uma das conclusões de um estudo da Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (ARHESP), que inquiriu mais de 2 mil restaurantes sobre os padrões de consumo dos clientes.

O inquérito revelou que os portugueses almoçam mais fora de casa nos dias úteis. Nestes dias, mais de 60% das refeições servidas no restaurantes são almoços. A única exceção são os hotéis, onde predominam os jantares.

Durante o fim de semana o panorama é diferente. Jantares e “snacks” lideram os consumos.

No Centro/Norte do país, um restaurante serve, em média, 54 almoços nos dias úteis e 59 ao fim de semana. O valor é mais baixo na região Centro/Lisboa, onde são servidas, em média, 45 almoços nos dias úteis.

Quanto ao Sul do país, o destaque vai para os menus turísticos. Em média, são servidas 72 refeições deste tipo ao almoço e 84 ao jantar.

O estudo da ARHESP analisou ainda as ementas dos restaurantes. Pratos de peixe e carne predominam nos cardápios, sendo que 5% dos estabelecimentos já disponibilizam também pratos vegetarianos e/ou vegan.

Em todas as áreas analisadas, as preferências dos inquiridos recaem sobre o prato de carne e peixe, com 97,1% e 89,1%, respetivamente. De destacar a área Sul, onde a preferência pelo prato vegetariano já apresenta um peso de 11%.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VICTOR MARQUES
    11 out, 2018 Matosinhos 10:54
    Fica mais caro, mas é chique!!!...