A+ / A-

Mais de 8.000 civis morreram desde janeiro no Afeganistão

11 out, 2018 - 07:01

Os talibãs e os combatentes do grupo extremista Estado Islâmico foram responsáveis por 65% das vítimas civis.
A+ / A-

O conflito no Afeganistão continua a causar um elevado número de vítimas civis, que ascenderam a 8.050 nos primeiros nove meses do ano, indica um relatório da ONU.

O documento da Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão revela que no período entre 1 de janeiro e 30 de setembro 2.798 civis afegãos morreram e 5.252 ficaram feridos, “refletindo os mesmos níveis extremos de dano aos civis em comparação com o mesmo período de 2017”, segundo o comunicado no site da MANUA.

Os talibãs e os combatentes do grupo extremista Estado Islâmico foram responsáveis por 65% das vítimas civis (1.743 mortos e 3.500 feridos), sobretudo em ataques suicidas ou atentados à bomba, as principais causas de vítimas civis (1.065 mortos e 2.569 feridos).

A missão da ONU deplora o facto de os grupos rebeldes terem cada vez mais como alvo deliberado os civis, nomeadamente as minorias étnicas e religiosas.

O relatório indica ainda que as forças de segurança afegãs são responsáveis por 761 mortos e 992 feridos entre os civis (22%) e que os combates terrestres entre as forças armadas afegãs e os grupos insurgentes são a segunda causa da morte dos civis (605 mortos), à frente dos bombardeamentos aéreos (313) e das minas e obus de antigos combates (105).

Os dados da MANUA indicam que as províncias mais afetadas pelo conflito foram Nangarhar, Cabul, Helmand, Ghazni e Faryab e que, “pela primeira vez, Nangarhar ultrapassou Cabul como a província com mais vítimas civis nos primeiros nove meses de 2018”.

“Como não pode haver solução militar para os combates no Afeganistão, as Nações Unidas reiteram o seu apelo para uma imediata resolução pacífica do conflito para acabar com o sofrimento do povo afegão”, disse Tadamichi Yamamoto, chefe da MANUA, citado no comunicado.

“Todas as partes podem e devem fazer o máximo possível para proteger os civis, incluindo com passos concretos em direção à paz”, adiantou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.