A+ / A-

Kavanaugh investido. Trump lamenta "sofrimento terrível" do juiz e família

09 out, 2018 - 06:59

Durante a cerimónia de investidura de Brett Kavanaugh como juiz do Supremo Tribunal norte-americano, Donald Trump voltou a defender o juiz, afirmando que ficou provado que é inocente das acusação de abuso sexual feitas por várias mulheres.
A+ / A-

O juiz Brett Kavanaugh foi investido esta segunda-feira, na Casa Branca, como membro do Supremo Tribunal dos Estados Unidos.

Na cerimónia, Donald Trump mencionou o “sofrimento terrível” por que terá passado o juiz conservador, acusado de agressão sexual na sua juventude.

“Em nome da nossa nação, desejo apresentar desculpas a Brett e ao conjunto da família Kavanaugh, pela dor e pelo sofrimento terríveis que vocês foram obrigados a suportar”, declarou o Presidente norte-americano, na Casa Branca, antes do juramento do juiz, de 53 anos, confirmado no sábado pelo Senado, depois de uma intensa luta política.

Trump declarou também que Kavanaugh tinha sido “apanhado numa falsificação montada pelos democratas”, considerando que as alegações de má conduta sexual contra o juiz “foram todas falsificadas, [o caso foi] fabricado e é uma desgraça”.

A escolha do conservador foi muito polémica, nomeadamente por ser acusado de abuso sexual de várias mulheres, incluindo uma professora universitária californiana, que testemunhou sob juramento que ele a tentou atacar durante uma festa de liceu há décadas. Kavanaugh negou as alegações.

O Presidente dos EUA chegou a declarar que considerava credível o testemunho daquela professora, tendo posteriormente escarnecido o depoimento desta.

Kavanaugh não guarda amarguras

Já Brett Kavanaugh reconheceu que todo o processo foi “contencioso e emocional”, mas garantiu que não tem “nenhuma amargura”.

O juiz, com o Presidente norte-americano, Donald Trump, a seu lado, disse ainda que os quatro funcionários que vão trabalhar para si no Supremo Tribunal são mulheres.

Kavanaugh afirmou ainda que o Supremo Tribunal dos Estados Unidos da América “não é uma instituição política ou partidária”, garantindo que vai ser “sempre um jogador de equipa numa equipa de nove”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JMC
    09 out, 2018 USA 15:02
    Kavanaugh e os republicanos defendem a vida humana só quando lhes convém. Antes do nascimento, a vida é sagrada (excepto em casos quando eles próprios forem incomodados). Depois do nascimento, a vida humana é uma situação de "cada um por si," a sobrevivência do mais rico.
  • João Lopes
    09 out, 2018 Viseu 11:06
    Todos aqueles que defendem a vida humana são os verdadeiros progressistas: votos de bom trabalho a Kavanaugh, ao serviço da vida humana em todas as circunstancias