A+ / A-

Morreu a atriz Mariema, criadora de "O fado mora em Lisboa"

08 out, 2018 - 16:03

A atriz de teatro de revista estará em câmara ardente na terça-feira a partir das 18H00, na Centro Funerário de Santo Condestável, no Campo de Ourique em Lisboa. O funeral é dia 10 de outubro e Mariema será enterrada no Cemitério dos Prazeres.
A+ / A-

A atriz Mariema morreu no domingo à noite, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, disse esta segunda-feira à agência Lusa fonte da Casa do Artista, onde a atriz residia.

Mariema Mendes de Campos, que não gostava de revelar a data de nascimento, nasceu em Lisboa, no bairro de Campo de Ourique e foi a criadora do tema "O Fado Mora em Lisboa".

Começou cedo a cantar o fado, sobretudo para os amigos, mas foi num dos restaurantes onde cantava para amigos que a fadista Deolinda Rodrigues a descobriu e que falou para que ela entrasse para o teatro, segundo refere Vítor Duarte Marceneiro, no seu blogue “Lisboa no Guiness”.

Em 1964, estreou-se no teatro ABC, no Parque Mayer, como atração, na revista “É regar e por ao luar”, onde voltou em 2015, ao Teatro Variedades, para fazer "Quer... é Parque Mayer".

No mesmo ano, fez parte do elenco de "Três (Velhas) Irmãs", "Uma memória de Tchekov", de Martim Pedroso, que esteve em cena no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, em que a atriz contracenou com Graça Lobo e Paula Só.

As últimas atuações de Mariema passaram também por programas de televisão, como a série "Conta-me como foi", e por participações em filmes como "Refrigerantes e Canções de Amor", de Luís Galvão Teles, "Axilas", de José Fonseca e Costa, e "Os Gatos Não Têm Vertigens", de António-Pedro Vasconcelos.

“Ai venham vê-las”, também no ABC, - onde fez a sua primeira rábula, “Gémeas”, contracenando com Fernanda Borsatti - e “Sopa no Mel”, no teatro Maria Vitória, para onde transitou depois do ABC, foram outras das revistas em que atuou.

No teatro Variedades, Mariema fez parte do elenco da revista “A Ponte a Pé” e o sucesso fez com que, a partir daqui, e durante três temporadas, tenha feito dupla com José Viana.

Colaborou com Filipe La Féria nos programas “Grande noite" (1992/1993), "My fair lady" (2004) e "Amália" (2005).

Segundo a crítica de teatro da época foi, porém, na revista “Pão, Pão, Queijo, Queijo…”, que se afirmou como uma das atrizes mais originais do teatro português, como recorda uma nota biográfica dos Artistas Unidos, companhia dirigida por Jorge Silva Melo, que escolheu a atriz para duas peças de teatro na primeira década de 2000: “Seis personagens à procura de autor”, de Luigi Pirandello, e “Sangue Jovem", de Peter Asmussen.

Na peça de Pirandello, em 2009, encenada por Jorge Silva Melo, Mariema contracenou com Lia Gama e João Perry, entre outros, numa versão que subiu ao palco do Teatro Municipal S. Luiz, em Lisboa.

As produções televisivas "Ouro negro" (2017), "Santa Bárbara" e "Massa fresca" (2016), "Sol de Inverno" (2013), "Velhos amigos" e "Os compadres" (2011), "Liberdade 21" (2009), "Morangos com Açúcar" (2008) contaram igualmente com o desempenho de Mariema.

O funeral é no dia 10 de outubro, às 10h30 e Mariema será enterrada no Cemitério dos Prazeres, em Lisboa, segundo a agência funerária Servilusa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.