A+ / A-

Rui Barreiro lembra que o Sporting está a viver um "ano zero"

08 out, 2018 - 12:45

Antigo membro do Conselho Leonino entende sinais de alarme, mas lembra que este é um ano de reconstrução e defende que os sportinguistas deviam estar "bastante gratos" a Peseiro.
A+ / A-

Rui Barreiro compreende o desgosto do universo leonino, após a derrota em Portimão, porém, lembra que, face a tudo o que se passou no final da última época e início desta, este é o chamado "ano zero" para o Sporting.

"Ninguém gosta de perder, muito menos contra o clube que estava em último lugar. Portanto, é óbvio que o universo sportinguista está desgostoso com o resultado. É preciso percebermos as circunstâncias em que nos encontramos, que são difíceis. Já desde o início da época eram difíceis. Felizmente, as coisas não nos têm corrido muito mal, em termos de resultados, mas ontem [domingo] não correram bem", assume o antigo membro do Conselho Leonino, em entrevista a Bola Branca.

"Não nos podemos esquecer que este é uma espécie de ano zero para o Sporting, em que as coisas têm de ser agora consolidadas e tem de se permitir que os profissionais trabalhem, só assim será possível nós voltarmos a estar mais competitivos", acrescenta o ex-conselheiro.

Falta de alternativas e um treinador valente

José Peseiro tem sido contestado, mas Rui Barreiro não acredita que a solução passe por despedir o técnico, cujo trabalho é "bastante ingrato".

"Acho que os sportinguistas, ao contrário das análises que tenho visto, deviam estar bastante gratos ao José Peseiro. Num momento de extrema dificuldade para o clube e em que dificilmente se conseguiria angariar um treinador da qualidade e currículo do José Peseiro, ele aceitou pegar no Sporting", argumenta o antigo conselheiro leonino.

Rui Barreiro recorda ainda que, na última época, o Sporting ganhou no terreno do Portimonense por 2-1, "com um super Bruno Fernandes".

Este ano, o médio "ainda não atingiu a sua plenitude" e, fazendo uma revista completa à equipa, são percetíveis "as dificuldades todas que o Sporting tem". Desde a defesa, órfã de Mathieu, ao ataque: "Temos o Montero e, depois, se compararmos com os nossos rivais, verificamos que as alternativas da linha da frente não são abundantes".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A Martins
    09 out, 2018 Braga 00:45
    Este senhor devia estar calado, porque no seio de uma grande parte, da família sportinguista, não tem qualquer peso ou credibilidade e como tal as suas opiniões são irrelevantes e inócuas.
  • Jacinto
    08 out, 2018 Lisboa 14:09
    Ano Zero? Decerto que o "ui!!! nabeiro" não vai ler estas linhas mas mesmo assim, deixo as minhas ideia? 1º Quem pôs o Clube no ano zero -além da "tribo das toupeiras saltitantes" - não foram os "esclarecidos-bem falantes-educados-croqueteiros-iluminados vips"? 2º - Gratos a José Peseiro? - Ou ele é que deverá estar grato depois de já estar "queimado" no futebol português ter aparecido um cervejeiro falido e um (alegadamente) ex-bombeiro e ex-profissional autártico? É engraçado a tolerância que estas aves que se aninharam em tudo o que eram capoeiras dos médias com um fim igual aos cartilheiros, aparecerem agora com estes discursos manhosos.