A+ / A-

Argélia quer investir em Portugal

03 out, 2018 - 20:31

A certeza foi deixada esta quarta-feira pelo primeiro-ministro Ahmed Ouyahia.
A+ / A-

O primeiro-ministro argelino diz que a Argélia "não é a China" mas está interessada em investir em Portugal, assegurando que os problemas na EDP, onde a companhia estatal argelina tem uma participação minoritária, não arrefeceram as relações.

Os acionistas de referência da EDP, que incluem Estados estrangeiros como a Argélia, através da Sonatrach, que detém 2,38% do capital da elétrica, anunciaram, na semana passada, que vão contestar nos tribunais internacionais o pagamento de 285 milhões de euros por alegada sobrecompensação no cálculo da disponibilidade das centrais que operavam em regime CMEC (Custos para a Manutenção do Equilíbrio Contratual).

Em entrevista à Lusa, Ahmed Ouyahia que esteve em Portugal para participar na V cimeira luso-argelina, afirmou que a controvérsia na EDP não foi abordada no encontro que manteve esta manhã com o seu homólogo António Costa acrescentando que cabe às empresas resolverem os diferendos

"Não falámos disso porque não é um grande problema. É um problema que existe, como em todo o lado, entre as empresas. Não é uma questão que perturbe as relações entre a Argélia e Portugal que são muito importantes, em vários domínios, incluindo a energia. Por isso, deixemos as empresas discutir entre si", disse.

Escusou-se a comentar uma eventual saída da Sonatrach do capital da EDP, já que a empresa argelina "é independente na sua atuação", mas considerou que não há intenções de abandonar a presença argelina no setor da energia em Portugal.

"A Argélia fornece-vos muito gás, fornece também muito petróleo e num determinado momento pensou mesmo entrar na distribuição da eletricidade e gás em Portugal, por isso posso garantir que a Argélia não esta interessada em sair de Portugal em matéria de investimento no setor energético. Não me pronuncio em nome da administração [da Sonatrach], mas do que sei não tem intenção de partir", frisou.

Ahmed Ouyahia disse que a Argélia quer "desenvolver o volume das relações de negócios e investimento" e aproximar as empresas dos dois países e que as empresas argelinas poderão procurar outros setores, fora da energia, que se revelem interessantes,

"É certo que não somos a China, um país que respeitamos muito, que tem grandes meios e vem comprar empresas. A Argélia ainda está a travar a batalha do seu próprio desenvolvimento (...) mas se, além da energia, outros setores forem interessantes, as empresas e o capital argelino terão sempre interesse em vir", reforçou o primeiro-ministro argelino.

Deu como exemplo da importância que "os amigos argelinos" atribuem às relações económicas entre Argélia e Portugal a criação de um novo conselho empresarial, que visa aproximar as empresas e potenciar a complementaridade, entre a experiência portuguesa e o "grande mercado" argelino.

O objetivo do novo órgão, hoje anunciado, é proporcionar "uma relação mais permanente e fluida" entre empresas portuguesas e argelinas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.