A+ / A-

Congresso quer apurar o que falta fazer na assistência religiosa em Portugal

02 out, 2018 - 15:35 • Filipe d'Avillez

O II Congresso de Diálogo Inter-religioso é subordinado ao tema “Cuidar do Outro”, num esforço conjunto entre o Alto Comissariado para as Migrações e a Comissão para a Liberdade Religiosa.
A+ / A-

Expor o que já foi feito e saber o que falta fazer na assistência religiosa nos hospitais e nas prisões, é um dos principais objetivos do II Congresso do Diálogo Inter-religioso, que se realiza na quarta-feira, na Universidade Católica, em Lisboa.

“Saúde e Assistência Hospitalar e às Prisões – O Cuidado do Outro” é precisamente o tema do primeiro painel temático, que contará com a presença de representantes da Igreja Católica, da Comunidade Hindu e da Comunidade Evangélica, numa conversa moderada pela jornalista da Renascença, Ângela Roque.

O congresso é organizado em conjunto pelo Alto Comissariado para as Migrações e pela Comissão da Liberdade Religiosa. O alto comissário Pedro Calado diz que muito trabalho já foi feito nos últimos anos pelo Grupo de Trabalho para o Diálogo Inter-religioso, e agora chegou o tempo de o dar a conhecer.

“Um dos grandes objetivos deste congresso é exatamente perceber é onde é que podemos ainda avançar nalgumas áreas. Mas claramente, para nós, tem havido um caminho muito importante nesta área do diálogo inter-religioso, e este congresso servirá seguramente também para mostrarmos esse caminho que já está a ser feito, e os resultados que naturalmente já podem ser partilhados”, diz.

O Alto Comissariado para as Migrações, que até há quatro anos era conhecido como Alto Comissariado para a Imigração e o Diálogo Intercultural, aposta há vários anos no diálogo inter-religioso, compreendendo que a dimensão religiosa é muito importante para várias das culturas que se misturam em Portugal.

Pedro Calado não vê qualquer contradição entre esta missão e a identidade secular do Estado. “Está na nossa missão e na nossa lei orgânica, que compete ao ACM estimular a emergência na sociedade portuguesa de espaços de diálogo inter-religioso”, diz, acrescentando que o trabalho passa por “fomentar entre as diversas comunidades religiosas em Portugal a existência de espaços de diálogo, de convergência, de procura daquilo que os une, com um grande objetivo final, que é de mostrar à sociedade portuguesa que esse diálogo não só existe, como traz um contributo positivo para a nossa sociedade.”

O II Congresso do Diálogo Inter-religioso realiza-se durante o dia de quarta-feira e tem arranque marcado para as 9h30, no auditório Cardeal Medeiros, na Universidade Católica, em Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.