A+ / A-

Pilar Del Rio considera adequadas celebrações de atribuição do nobel a Saramago

27 set, 2018 - 23:14

Passaram 20 anos. Já o escritor faleceu em 2010.
A+ / A-

O programa das comemorações dos 20 anos da atribuição do prémio Nobel da Literatura a José Saramago ficará fechado na segunda-feira e, para Pilar Del Rio, as celebrações serão as adequadas à efeméride.

Os 20 anos da atribuição do prémio Nobel da Literatura, que se completam a 08 de outubro, vão ser comemorados entre aquela data e o dia 15 de dezembro, mas "o programa final só ficará fechado na próxima segunda-feira", disse à Lusa Pilar Del Rio, presidente da Fundação Saramago e companheira de muitos anos do escritor, falecido em 2010.

As celebrações vão iniciar-se com o Congresso Internacional "José Saramago: 20 Anos com o Prémio Nobel", que decorrerá de 08 a 10 de outubro, no Convento de São Francisco, em Coimbra.

A iniciativa, organizada pelo Centro de Literatura Portuguesa da Universidade de Coimbra, em coorganização com a câmara local (com os apoios da Reitoria da Universidade de Coimbra, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, da Fundação José Saramago e da Porto Editora), será "uma de muitas" a realizar "em Lisboa, no Porto, em Azinhaga (Golegã) e em muitos outros locais", acrescentou.

Exposições, conferências e recitais integram as comemorações que Pilar Del Rio considera serem "as adequadas", defendendo que "não há maior comemoração que a leitura".

De acordo com a presidente da fundação, quer em Portugal quer em Lanzarote (Espanha), onde o Nobel viveu, "vai haver muitas leituras públicas [de obras de José Saramago] e as comemorações serão aquelas que fazem os seus leitores", disse à Lusa.

"Temos o dever de gratidão, de comemorar e de lembrar quem nos deu tanto", afirmou Pilar Del Rio em Óbidos, no distrito de Leiria, onde hoje os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago foram assinalados na primeira conversa do Folio -- Festival Literário Internacional de Óbidos.

À conversa com Anabela Mota Ribeiro e Ricardo Viel (autores de obras sobre Saramago), Pilar Del Rio recordou o momento em que teve conhecimento da atribuição do prémio e "a loucura" em que se transformou o ano de 1998.

Pela conversa passaram, precisamente, as duas obras que serão lançadas no Congresso Internacional de Coimbra: "Último Caderno de Lanzarote" (Porto Editora), um diário inédito do autor, descoberto casualmente por Pilar del Rio já depois da morte do autor, e "Um país levantado em alegria", de Ricardo Viel, que relata os bastidores da atribuição do prémio Nobel.

Além destes dois livros, está ainda previsto o lançamento de "Por Saramago", de Anabela Mota Ribeiro, numa edição da Temas e Debates, mas cuja apresentação não tem ainda data definida.

O primeiro dia do Folio ficou também marcado pela homenagem a Eduardo Lourenço, com a exibição do documentário "Labirinto da Saudade", com a presença do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

O programa fecha hoje com um concerto do fadista Ricardo Ribeiro.

Na sexta-feira Gonçalo M. Tavares dá um curso sobre "Escrita e Imaginação" e o festival reserva ao público três mesas de autor, com a participação de Hugo Mezena, José Riço Direitinho, Henrique Manuel Bento Fialho, Carlos Franz (Chile), Karla Suárez (Cuba), A.R.Azzam (Qatar), Ismael Mateus (Angola), António Torres (Brasil) e Abel Barros Batista.

Dividido em cinco capítulos (Autores, Folia, Educa, Ilustra e Boémia), o festival decorre entre hoje e o dia 07 de outubro, proporcionando 831 horas de programação que envolverão 554 participantes diretos, entre autores, pensadores, artistas e criativos que integram as 26 mesas de escritores, 25 concertos e 13 exposições, num programa com mais de 185 atividades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.