A+ / A-

CDS quer comissão parlamentar de inquérito a Tancos

25 set, 2018 - 18:35

Nuno Magalhães justificou a proposta com a necessidade de apurar "responsabilidades políticas" neste caso, em que acusou o Governo de "omissões e contradições".
A+ / A-

O CDS-PP anunciou esta terça-feira que vai propor, no parlamento, a criação de uma comissão de inquérito sobre o furto de armas dos paióis de Tancos, em junho de 2017.

O líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, justificou a proposta com a necessidade de apurar "responsabilidades políticas" neste caso, em que acusou o Governo de "omissões e contradições", numa conferência de imprensa, na Assembleia da República.

A proposta dos centristas surge depois de a Polícia Judiciária ter detido hoje militares da Polícia Judiciária Militar e da Guarda Nacional Republicana e um outro suspeito e realizado buscas em vários locais nas zonas da Grande Lisboa, Algarve, Porto e Santarém, âmbito do caso do furto de armas em Tancos.

Para Nuno Magalhães, é "claro e notório" que, "em 13 meses existiram responsabilidades, omissões da parte do governo, que são inadmissíveis" e que "geram insegurança e afetam o núcleo essencial do Estado".

O líder parlamentar democrata-cristão afirmou que ainda não falou com os restantes partidos sobre a proposta de inquérito e que apresentará o texto com os fundamentos "brevemente", provavelmente no prazo de 48 horas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    26 set, 2018 Coimbra 00:03
    Nuno Magalhães deve ter o doutoramento em estupidez´e ignorância!!! Como se pode exigir responsabilidades políticas, do que se passa nas força armadas? Esta intervenção só se passa, porque os deputados, ao fim de tantos mandatos, ficam total estúpidos.Está também na altura de limitar o tempo de deputados a um máximo de duas legislaturas. Pode ser, que assim, haja menos corrupção, na assembleia.