A+ / A-

Rui Moreira critica Governo. "Infarmed vai continuar ‘forever and ever’ em Lisboa"

24 set, 2018 - 22:16

Presidente da Câmara do Porto diz que não foi contactado pelo Governo e considera que suspensão da transferência do Infarmed é um processo anedótico.
A+ / A-

O poder político “sucumbiu” à máquina do Estado, diz o presidente da Câmara do Porto sobre a decisão do Governo de suspender a deslocalização do Infarmed para aquela cidade.

Rui Moreira reagiu, esta segunda-feira, à decisão anunciada pelo Governo de remeter o processo para o Parlamento, nomeadamente, para a comissão independente para a descentralização.

O autarca já não acredita que o Infarmed seja transferido para o Porto e diz que o processo é anedótico.

“Considero que este é um processo, como já parecia óbvio, em que o poder político sucumbiu à máquina do Estado e à máquina instalada.”

O presidente da Câmara do Porto garante que não foi contatado por nenhum membro do Governo.

“Fomos confrontados através da comunicação social, a quem agradeço ter-nos comunicado aquilo que foi anunciado pelo sr. ministro da Saúde no Parlamento, que vai contra aquilo que era uma deliberação do Conselho de Ministros. Até hoje, ninguém do Governo, seja o ministro ou o primeiro-ministro, falaram comigo ou tentaram falar comigo, que seja do meu conhecimento”, lamentou Rui Moreira.

O autarca já não acredita que o Infarmed seja transferido para o Porto e recorda a letra de uma música.

“Tenho a certeza que o Infarmed vai continuar ‘forever and ever’ em Lisboa, como diz a música. Andamos há quase um ano nesta conversa. Aquilo que era uma decisão anunciada, pensada, estudada do sr. primeiro-ministro e do sr. ministro da Saúde foi alterada. Por que foi alterada? Vai ter que perguntar a eles. Se me perguntar se acredito que vem: não”, afirma Rui Moreira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimus
    25 set, 2018 11:53
    E porque é que o Infarmed deve ser transferido para o Porto? O que ganha o País com isso? O que ganha o Infarmed com isso? Se o objectivo é "descentralizar", seja lá o que isso queira dizer, coloquem o Infarmed em Faro, em Viana do Castelo ou em Viseu.