A+ / A-

Francisco. “Não se pode viver uma dupla moral"

15 set, 2018 - 17:50

Sumo Pontífice está este sábado na Sicília e já criticou a Máfia.
A+ / A-
Papa na Sicília com críticas à máfia e mensagens para o interior da Igreja
Papa na Sicília com críticas à máfia e mensagens para o interior da Igreja

O Papa na Sicília deixou uma mensagem muito profunda para o interior da Igreja e à luz dos recentes acontecimentos. Francisco sublinhou ao clero que não se pode viver uma dupla moral: uma para o povo de Deus e outra em casa.

“Dar testemunho quer dizer fugir de toda a vida dupla, fugir da hipocrisia de que o clericalismo não está isento, seja no seminário, na vida religiosa, no sacerdócio. Não se pode viver uma dupla moral: uma para o povo de Deus e outra em casa. Quem dá testemunho de Jesus pertence sempre a Jesus e por amor a Jesus empreende uma batalha diária contra os seus próprios vícios e todos os tipos de tentações mundanas”, disse.

Estas declarações do Papa foram feitas num encontro para membros do Clero e institutos religiosos, na Catedral de Palermo, onde repousam os restos mortais do Beato Puglisi, assassinado há um quarto de século pela Máfia.

Antes ainda o Papa tinha almoçado com 1300 pobres, imigrantes e ex-reclusos, no centro “Missão Esperança e Caridade”.

Sempre acompanhado pelo arcebispo de Palermo, D. Corrado Lorefice, neste sábado na Sicilia, o Papa criticou manifestações de religiosidade que incluam qualquer saudação de respeito em frente da casa de um qualquer chefe da Mafia.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Walter Cross
    16 set, 2018 Almere 08:02
    Nunca fui, não sou e dificilmente serei religioso algum dia; mas sempre sigo a trajetória dos papas curiosamente seguindo suas lideranças e como conduzem esse ato espiritual, porque no fundo, alguma responsabilidade social procuram cumprir. Desde João XXIII, Paulo VI, Woityla e agora Papa Francisco; merecem meu respeito e admiração, tanta quanto se realmente existe Deus, pois que dê bastante saúde e proteção Divina pela coragem, inspiração e dedicação ao próximo e essa frase contra o crime organizado, é a máxima do topo dessa luta contra o irracional dos seres humanos em atentado contra a própria existência. Obrigado, Papa Francis!