Tempo
|
A+ / A-

Professores e Governo sem acordo. Greve de 1 a 4 de outubro

07 set, 2018 - 18:26

“Esta reunião foi um autêntico deserto sem respostas. Agora, é a luta", declarou o sindicalista Mário Nogueira. Ministro anuncia que as carreiras dos professores vão ser descongeladas em “dois anos nove meses e 18 dias”.

A+ / A-

A reunião desta sexta-feira entre Governo e professores terminou sem acordo. Os docentes vão avançar para a greve e outras formas de luta.

No final do encontro, Mário Nogueira, da Federação Nacional de Professores (Fenprof), anunciou uma paralisação entre 1 e 4 de outubro.

“Esta reunião foi um autêntico deserto sem respostas. Agora, é a luta. Neste momento não há negociação. Acabou”, declarou Mário Nogueira.

O dirigente da Fenprof critica a falta de propostas do Ministério da Educação para resolver o problema do descongelamento das carreiras dos professores.

Mário Nogueira fala mesmo em "comédia de mau gosto" e "retrocesso tremendo", ao descrever a reunião desta sexta-feira.

Em conferência de imprensa, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, anunciou que as carreiras dos professores vão ser descongeladas em “dois anos nove meses e 18 dias”.

António Costa lamenta "intransigência" e “finca-pé”

O primeiro-ministro também já reagiu. António Costa lamentou que os sindicatos tenham sido “irredutíveis no finca-pé”.

O chefe do Governo fala em “intransigência” por parte dos representantes dos professores.

“Tenho pena. É sempre preferível um mau acordo do que um bom desacordo. O Governo vai avançar com o que está previso na lei do Orçamento”, adiantou António Costa.

O primeiro-ministro espera que o “o ano letivo decorra de forma mais tranquila possível” e acredita que os professores vão saber “distinguir o que são conflitos laborais” da atividade escolar e do ensino aos alunos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Professor perseguido
    07 set, 2018 ME 20:52
    Greve aos dois primeiros tempos da manhã, greve às avaliações nos 3 períodos lectivos, greve a actividades não lectivas das quais as escolas dependem para funcionar. Há tantas formas de luta que até assusta. E claro, Desobediencia em larga escala de toda uma classe quando governo repetir a onda de portarias antigreve - quero ver se sistema aguenta 140 000 processos disciplinares ao mesmo tempo. Nada de greves de 1 ou 2 dias: isso é dar salário ao governo. Vamos ver se o Nogueira traz algum truque novo. E o descongelamento made in governo, o governo pode metê-lo já sabe onde ...
  • xico
    07 set, 2018 v 18:59
    nas eleições ninguém vota ps.