A+ / A-

Juízes e médicos vão aprender a lidar com a violência doméstica

02 set, 2018 - 12:33

É um curso específico para profissionais, inédito em Portugal e que vai decorrer em Coimbra.
A+ / A-

Veja também:


A Coimbra Business School vai avançar com um curso para preparar melhor juízes, procuradores, médicos, assistentes sociais e psicólogos a lidar com o fenómeno da violência, sobretudo a doméstica.

"Uma média de quase três dezenas de mulheres assassinadas por ano é intolerável e não pode continuar. Isto não é compatível com um país que está na Europa e que pretende obter bons índices de desenvolvimento social", afirma Pedro Costa, presidente daquele estabelecimento de ensino, à agência Lusa.

A falta de formação dos agentes que lidam com o fenómeno foi a motivação para a Coimbra Business School avançar com o "primeiro curso do género" em Portugal, que terá início em novembro.

“Falta claramente formação nesta área aos agentes sociais, juízes e advogados, que têm uma formação muito específica", defende Pedro Costa. "É preciso saber como agir quando estão perante estas situações de violência, que são um fenómeno transversal a toda a sociedade", reforça.

O presidente da Coimbra Business School mostrou-se ainda convicto de que este curso irá contribuir “para melhorar a prevenção e o combate à violência, sobretudo aquela que se abate sobre as mulheres".

A mesma opinião tem a docente universitária Sónia Costa, coordenadora do curso, para quem "uma das maiores lacunas na resposta aos problemas suscitados pela violência doméstica e violência de género repousa, indubitavelmente, na formação e na capacitação de profissionais que são chamados a resolvê-los".

"É urgente ultrapassar em Portugal o défice formativo que se verifica nos profissionais – nomeadamente do Estado – que lidam com casos de violência, pois só assim poderemos melhorar os indicadores do país neste campo", salienta a especialista em ciências forenses.

Segundo esta investigadora, que integra o Conselho Científico da Agência para a Prevenção do Trauma e da Violação dos Direitos Humanos, "com uma qualificação mais adequada dos diferentes profissionais, muitos dos erros que se cometem podiam ser evitados".

Os números da violência em Portugal, nomeadamente contra as mulheres, "são assustadores e não deveriam existir", refere a investigadora, referindo que, até à data, já foram assassinadas 18 mulheres, quase tantas como em todo o ano de 2017.

"Quem trabalha no terreno verifica que muitos profissionais desvalorizam a violência contra as mulheres, numa atitude que assenta em ideias pré-concebidas de submissão natural das mulheres aos homens e na aceitação geral da impunidade destes. Todos somos responsáveis pelos processos de manutenção da violência e todos seremos igualmente responsáveis pelo processo de mudança e pela sua erradicação", destaca.

O curso de especialização "Violência(s): Da perceção à intervenção", concebido para os profissionais que lidam diariamente com a violência e com o crime contra pessoas é organizado com o apoio da Secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade.

Termina em fevereiro de 2019 e disponibiliza 40 vagas, sendo que 20 são para profissionais da administração pública e 20 para a população em geral.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.