Tempo
|
A+ / A-

Créditos fazem subir pedidos de ajuda à Deco

13 jul, 2018 - 07:33

Deco revela que a taxa de esforço das famílias subiu para 73%. Em média têm prestações mensais que rondam os 800 euros.

A+ / A-

Os sinais da retoma económica ainda não chegaram a muitas famílias, alerta a Deco em dia de debate do Estado da Nação, no Parlamento. O boletim estatístico mostra as dificuldades de muitos portugueses que continuam sem conseguir pagar as suas dívidas.

No primeiro semestre, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor recebeu 17. 400 pedidos de ajuda, o que representa uma subida de três dezenas face ao período homologo.

Segundo o boletim, a que a Renascença teve acesso, a taxa de esforço das famílias subiu para 73%: cada uma paga, em média, pelas prestações 798 euros por mês.

No ano passado, a taxa de esforço foi de 70,8%, mas em 2012 representava 89% (ainda durante o programa de ajustamento da troika).

As famílias têm em média cinco créditos, tendo por base um rendimento familiar de 1.100 euros.

O mesmo documento mostra que há famílias em incumprimento para pagar a casa, que compraram há um ano.

As cinco principais causas do sobreendividamento são: desemprego (20%); deterioração das condições de trabalho (19%); doença ou incapacidade (15%); execução/penhoras(12%); e alteração do agregado familiar (10%).

Veja aqui os cuidados que deve ter quando pede um crédito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+