A+ / A-
Sporting

​Ataque à Academia. Prisão preventiva para suspeito que aguarda cirurgia

10 jul, 2018 - 18:01

Juiz decretou a medida porque não será possível cumprir o prazo de 48 horas para primeiro interrogatório.
A+ / A-

O juiz de instrução criminal do Tribunal do Barreiro decretou esta terça-feira prisão preventiva para um dos nove detidos na segunda-feira suspeitos de envolvimento nos incidentes na Academia do Sporting, em Alcochete, por aguardar uma intervenção cirúrgica.

"Informa-se (...) que um nono arguido se encontra detido no Hospital de São José [em Lisboa], onde aguarda a realização de uma cirurgia e, não havendo condições para o cumprimento do prazo, para apresentação ao juiz de instrução criminal, para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial (48 horas), foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva", lê-se no comunicado distribuído aos jornalistas.

Após a intervenção, o arguido deverá ser transportado para o Hospital prisional São João de Deus, em Caixas, acrescenta o documento, no qual o juiz Carlos Delca informou que os outros oito arguidos já se encontram no tribunal, não adiantando qualquer previsão sobre a hora em que vão ser ouvidos em primeiro interrogatório judicial.

De acordo com o comunicado hoje divulgado pela Procuradoria Distrital de Lisboa foram detidos nove elementos na segunda-feira, o que perfaz um total de 36 pessoas detidas pelos incidentes ocorridos em Alcochete, em que um grupo de encapuzados invadiu a Academia do Sporting e agrediu vários jogadores da equipa profissional de futebol.

Os 27 arguidos que já tinham sido presentes a primeiro interrogatório estão todos a aguardar julgamento em prisão preventiva.

A operação decorreu de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa às agressões a jogadores e técnicos da equipa de futebol do Sporting, levadas a cabo por cerca de 40 alegados adeptos encapuzados.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

Mais tarde, em 05 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Ao todo, com as detenções efetuadas na segunda-feira, estão detidas 36 pessoas relacionadas com este caso.

Os arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    10 jul, 2018 évora 22:27
    As forças policiais e o Ministério Público fazem sempre estas cenas dignas de filmes Americanos para depois no fim com transito em julgado ser condenado ou um ou dois no máximo , é para encher os olhos dos bêbados e drogados em Portugal a bem dizer que fazem algo ... São é uns tristes humanos com poderes a mais !
  • só pés rapados?
    10 jul, 2018 Lisboa 19:57
    E o mandante? O que instigou? O que criou todo o caldinho? Esse a nossa justiça pelos vistos está a tratar com muito carinho.