Tempo
|
A+ / A-

Lifeline vai atracar em Malta, Itália vai acolher "alguns" dos 234 migrantes a bordo

26 jun, 2018 - 12:54

Assim anunciou esta terça-feira o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

A+ / A-

O navio de resgate e salvamento Lifeline, gerido por uma organização não-governamental alemã com o mesmo nome, recebeu luz verde para atracar em Malta, sendo que uma parte dos 234 migrantes que seguem a bordo do barco humanitário vai ser acolhida por Itália.

O anúncio foi feito esta terça-feira, pouco depois das 13h, pelo primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte. "A Itália vai desempenhar o seu papel e vai acolher uma parte dos migrantes que seguem a bordo do Lifeline, na esperança de que outros países europeus façam o mesmo, como alguns já anunciaram que vão fazer", informou o gabinete de Conte em comunicado.

Também numa nota oficial, o Governo maltês confirma que vai autorizar a atracagem da embarcação. "Queremos evitar uma escalada da crise humanitária através da partilha de responsabilidades entre os Estados dispostos a isso."

O anúncio surge horas depois de Itália ter autorizado o cargueiro Alexander Maersk a acostar na Sicília para que os 108 migrantes resgatados pela tripulação no Mediterrâneo central possam desembarcar ali depois de vários dias em alto mar. O grupo foi resgatado pelo navio comercial depois de ter arriscado a travessia em botes de borracha sobrelotados.

À semelhança do que aconteceu com o navio Aquarius há algumas semanas, que passou vários dias em alto mar até ter sido autorizado a atracar em Valência, o Lifeline passou os últimos seis dias à espera de luz verde para atracar num dos países da Europa que são banhados pelo Mediterrâneo, para que os migrantes a bordo possam receber assistência médica e proceder com os seus pedidos de asilo na União Europeia.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis
    26 jun, 2018 Castelo Branco 15:44
    Mais do mesmo... Para isso mais vale atracar um navio de cruzeiro na libia...... fica mais barato. Os barcos das NGOs não podem fazer o que lhes apetece. Eu para fugir à miseria do ordenado minimo em Portugal posso ir para outro pais da EU mas se não arranjar emprego ao fim de 3 meses tenho que voltar para trás....