A+ / A-

Apetro garante que preço dos combustíveis vai descer com fim do adicional ao ISP

21 jun, 2018 - 21:44

Em declarações à Renascença, António Comprido, da Apetro, garante que o mercado funciona assim: menos imposto, combustíveis mais baratos para o consumidor.
A+ / A-

A Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro) não tem dúvidas de que o preço dos combustíveis vai baixar com o fim do adicional ao imposto sobre produtos petrolíferos (ISP), aprovado esta quarta-feira no Parlamento.

Em declarações à Renascença, António Comprido, da Apetro, garante que o mercado funciona assim: menos imposto, combustíveis mais baratos para o consumidor.

“Não tenho a mínima dúvida sobre isso, com certeza que vai ser refletida. No dia em que o imposto for alterado, com certeza que os operadores económicos envolvidos na comercialização dos combustíveis farão refletir a descida no preço final”, afirma António Comprido.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Nunes, alertou que o fim do adicional ao ISP pode não beneficiar os consumidores.

O dirigente da Apetro garante que não há outra possibilidade e não percebe a dúvida.

“As companhias petrolíferas, a partir do momento em que pagarem um imposto menor ao Estado, com certeza que aquilo que farão repercutir sobre a cadeia de valor e, em última análise, aos consumidores, refletirá essa descida. Não há outra maneira de isso acontecer, nem vejo porque é que se coloca a dúvida”, afirma António Comprido em declarações à Renascença.

O projeto de lei do CDS para eliminação do adicional ao imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) foi aprovado esta quinta-feira, na generalidade, na Assembleia da República.

A proposta contou com os votos favoráveis de CDS, PSD e PAN, abstenção de PCP, Bloco de Esquerda e Verdes. O Partido Socialista votou contra a medida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.