Tempo
|
A+ / A-

Espanha aceita receber migrantes rejeitados por Itália

11 jun, 2018 - 14:00

O barco transporta 629 migrantes, incluindo 123 menores desacompanhados. Governo italiano recusou acolher navio em portos nacionais.

A+ / A-
"Aquarius". 629 pessoas amontoam-se no navio que Itália recusou
"Aquarius". 629 pessoas amontoam-se no navio que Itália recusou

O governo espanhol ofereceu-se para receber os 629 migrantes a bordo do navio "Aquarius" que os governos de Itália e Malta rejeitaram acolher.

Em comunicado, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, deu instruções para que o barco seja recebido no porto de Valência.

"É a nossa obrigação ajudar e evitar uma catástrofe humanitária e oferecer um porto seguro a estas pessoas, cumprindo com as obrigações do Direito Internacional", pode ler-se no comunicado divulgado pelo governo espanhol.

Momentos antes de sair o comunicado, Ximo Puig, presidente da Generalitat Valenciana, assegurou que o Governo espanhol ofereceu à ONU o porto da cidade como "porto seguro".

Também a vice-presidente do Governo Regional valenciano abordou o caso: "Não é possível, em pleno século XXI, 629 pessoas estejam num barco à deriva pelo Mediterrâneo, que já levou milhares de vidas e se converteu numa fossa comum da vergonha. . Queremos abrir esse corredor de esperança no Mediterrâneo. Valência está disposta a recebê-lo".

Também Barcelona mostrou-se disponível para acolher os 629 migrantes. "Temos de ajudar estas pessoas, caso contrário a nossa democracia perde toda a credibilidade. Antes de tudo está a vida humana", defendeu Ada Colau, presidente da Câmara de Barcelona, que aproveitou o momento para tecer fortes criticas às políticas europeias para resolver esta crise humanitária.

"Em vez de os acolhermos bem, gastamos rios de dinheiro em politicas europeias de fronteiras que fracassam - e que, ainda para mais, gastam mal o dinheiro - em vez de o usar para salvar vidas humanas", acusa a presidente da Câmara de Barcelona.

Aquarius, o barco da discórdia

O barco transporta 629 migrantes, incluindo 123 menores desacompanhados, 11 crianças e sete mulheres grávidas vindos da Líbia. Os migrantes a bordo do "Aquarius" viajavam antes em barcos de borracha e foram resgatados pelos Médicos Sem Fronteiras e SOS Mediterranée.

Esta decisão do governo espanhol acontece depois do recém-eleito ministro do Interior de Itália, líder da Liga, um partido de extrema-direita, ter recusado acolher o navio e acusado Malta, Espanha e França de não contribuírem com ajuda ao problema.

"Malta não recebe ninguém. França empurra as pessoas de volta para a fronteira, Espanha defende as suas fronteiras com armas. A partir de agora, Itália também vai começar a dizer não ao tráfico humano, a dizer não ao negócio da imigração ilegal", escreveu Salvini nas redes sociais.

O governo de La Valeta defende que o resgate foi feito com a coordenação de Roma e, por isso, nada pode fazer.

Entretanto, alguns autarcas de várias cidades do Sul de Itália desafiaram o governo central e disseram estar prontas para receber o "Aquarius". "Se um ministro cruel permite a morte de mulheres grávidas, crianças, idosos no mar, o porto de Nápoles está pronto a recebê-los. Somos seres humanos com um grande coração e estamos prontos para salvas vidas”, respondeu o autarca de Nápoles à decisão de Roma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MASQUEGRACINHA
    11 jun, 2018 TERRADOMEIO 17:43
    E disse o grande Xamã de Bruxelas, de sobrolho carregado, referindo-se a Itália e Malta: "As partes têm que se entender". Ele, e o polvo barrigudo que representa, está visto, não são parte de nada. Devem estar a pensar comprar algum caixote de lixo novo, que o da Turquia vai estando cheio. Vão falando assim, à pater familias aborrecido com a criançada, que as partes vão acabar por se entender sozinhas. Olá se vão.