Tempo
|
A+ / A-

​Itália recusa receber navio com 600 migrantes

10 jun, 2018 - 18:38

Medida foi tomada pelo novo ministro do Interior, Matteo Salvini, que é também o líder da Liga, um partido de extrema-direita.

A+ / A-

O novo Governo de Itália não autoriza a entrada nos seus portos de um barco humanitário com 629 migrantes a bordo.

As autoridades italianas pediram a Malta que receba o navio "Aquarius", da organização SOS Mediterrâneo, mas o executivo de La Valeta também já disse que “não”.

Malta diz que não tem nada a ver com a operação de salvamento em causa.

A situação abre um diferendo entre dois países da União Europeia.

A decisão de rejeitar o navio com migrantes foi tomada pelo novo ministro do Interior de Itália, Matteo Salvini, que é também o líder da Liga, um partido de extrema-direita.

"Malta não recebe ninguém. França empurra as pessoas de volta para a fronteira, Espanha defende as suas fronteiras com armas. A partir de agora, Itália também vai começar a dizer não a otráfico humano, a dizer não ao negócio da imigração ilegal", escreveu Salvini nas redes sociais.

"O meu objetivo é garantir uma vida pacífica para estes jovens em África e para as nossas crianças em Itália", referiu o ministro italiano, utilizando a hashtag "Estamos a fechar os portos".

No entanto, Matteo Salvini não tem autoridade sobre os portos e a decisão está a causar divisões dentro de Itália.

O presidente da Câmara de Nápoles, que tem criticado o líder da Liga, garantiu que o navio humanitário será bem-vindo.

"Nápoles está pronta, sem fundos, para salvar vidas", declarou o autarca da cidade do Sul de Itália.

De acordo com a organização humanitária SOS Mediterrâneo, a bordo do navio "Aquarius" estão 629 migrantes, entre os quais 123 menores desacompanhados e sete mulheres grávidas.

Nos últimos cinco anos, mais de 600 mil migrantes chegaram às costas de Itália vindos de África e de países como a Síria e o Iraque.

[notícia atualizada às 20h11]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Nina
    12 jun, 2018 lisboa 13:02
    Haverá dois problemas a resolver,dembarque na costa mediterrânica grecia,itália,frança,espanha portugal.chipre ou nao e outro o seu acolhimento e integração.
  • Jorge Souza
    11 jun, 2018 Bombel 08:13
    Basta ver os comentários abaixo para perceber porque certa gente apoia personagens como Salvini. Alemanha? Holanda? Bélgica? Porquê a Itália? Qual é a parte de "Mar Mediterrâneo" que não percebem? Que tal comprarem um atlas?
  • G8
    10 jun, 2018 lisboa 19:03
    Mas é um barco humanitário com que bandeira.É de quem?Porquê a itália?Vamos ter guerras á porta.Os maiores países da EU são a França e a Alemanha que os acolham ou só se interessam pelos G6,G7,ou seria G8?
  • nané
    10 jun, 2018 lisboa 18:55
    É enviá los para a Alemanha ,Holanda,Belgica,França etc.A Alemanha pagava a Edorgan para os acolher e agora?Vao ficar no navio?Quem destabilizou o medio oriente e norte de africa ?Quem consentiu?